SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Motoristas de transporte escolar protestam em frente ao Buriti

A categoria está em greve desde segunda-feira (31/10), em razão de atrasos no pagamento dos salários. Segundo associação, dívida total passa de R$ 29 milhões

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/11/2016 16:59 / atualizado em 03/11/2016 17:24

Luis Nova/Esp. CB/D.A. Press
 
Na tarde desta quinta-feira (3/11), trabalhadores das 11 empresas de transporte escolar que não receberam o pagamento fizeram uma manifestação em frente ao Palácio do Buriti e seguiram em protesto até a Câmara Legislativa do DF. De acordo com a Polícia Militar, eram cerca de 250 manifestantes, que chegaram a bloquear o trânsito no Eixo Monumental. Desde a última segunda-feira (31/10), motoristas e monitores terceirizados estão em greve por causa do atraso dos salários.
 
O governo está inadimplente com as empresas desde 2014. A dívida total passa dos R$ 29 milhões, de acordo com a Associação das Empresas de Transporte Escolar de Brasília. Também de acordo com a entidade, a ausência do serviço afeta aproximadamente 600 escolas da rede Pública do DF.  
 
 
Ricardo Santos Spagiari, 34 anos, atua na área há oito anos e tem consciência do transtorno que a paralisação trouxe para crianças e adolescentes da rede pública. “Eu atuo na área rural do Distrito Federal e em locais mais afastados do centro. Sem o transporte, esses estudantes não conseguem chegar às suas escolas. Nós entendemos e nos preocupamos. Mas, infelizmente, chegamos ao fundo do poço não temos mais dinheiro para nada” afirma o motorista. 
 
Arlene Moraes, 36 anos, tem dois filhos e é monitora de uma das empresas de transporte escolar que prestam serviço para o Governo do Distrito Federal. Ela não recebe há cinco meses e está com contas atrasadas. Mais de 2,5 mil funcionários estão na mesma situação, segundo a associação.
 

Negociação 

 
A Casa Civil do DF informou que representantes do governo e das empresas estão reunidos para encontrar soluções. Também participam da negociação membros da Secretaria da Educação, das de Mobilidade e da própria Casa Civil.   

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade