SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Vigilância Sanitária interdita parte do Hospital de Brazlândia

Fiscalização foi acionada por meio da ouvidoria e constatou superlotação, baixa na equipe e materiais; pacientes estão sendo transferidos. Não há prazo para reabertura

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/11/2016 21:47 / atualizado em 03/11/2016 22:41

Alessandra Modzeleski - Especial para o Correio

A Vigilância Sanitária do DF interditou parte do pronto-socorro do Hospital Regional de Brazlândia nesta quinta-feira (3/11) após constatar irregularidades. O fechamento está decretado até que a unidade cumpra as exigências da fiscalização. Pacientes precisaram ser transportados para outras unidades, como o Hospital Regional de Ceilândia (HRC), e apenas os casos gravíssimos serão atendidos no hospital.
 
 
O órgão foi acionado por meio de ligações à ouvidoria. No local, foi constatado que a regional de saúde funcionava com pacientes além da capacidade, sem profissionais e materiais suficientes, além de equipamentos fora de operação.

A diretoria do hospital implantou triagem na emergência e só atenderá pacientes em estado grave, de acordo com a Secretaria de Saúde. Serão tomadas providências quanto às correção de problemas estruturais, como manutenção corretiva e reforma.
 
Diariamente, o Hospital Regional de Brazlândia atende, em média, 164 pacientes na clínica médica e 43 na cirurgia geral. Ainda não há um prazo para que o atendimento volte à normalidade.

Problema conhecido

O vice-presidente do Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem (Sidate-DF), Jorge Viana, a categoria denunciou em outras oportunidades as condições de trabalho na unidade. “Para nós foi importante essa iniciativa porque assim conseguiremos, de fato, uma solução”.

O sindicalista define a situação do local como “insalubre”. “Não há ventilação na emergência, não há espaço, não há materiais e as equipes precisam dar o sangue para atender os pacientes, devido a falta de profissionais”. Ele informou que no local estão 50 pacientes em macas e sete em caso grave esperando um lugar na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI).

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade