SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Planetário já sofre com problemas de estrutura após 3 anos da reabertura

Com problemas na bateria, o projetor digital está desligado, o que limita as visitas à exposição com temática espacial

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 08/11/2016 06:03 / atualizado em 08/11/2016 16:01

Antonio Cunha/Esp. CB/D.A Press - 28/12/13

 

Após 16 anos fechado e investimentos de R$ 3,4 milhões, o Planetário sofre com problemas apenas três anos depois da reabertura. Alguns espaços estão limitados ao público por causa de serviços de manutenção. Desde o começo de setembro, por exemplo, os equipamentos usados para a exibição de filmes não funcionam. A Secretaria de Ciência e Tecnologia e Inovação (Sect), responsável pelo local, informou que a visitação à cúpula ficou restrita a escolas, desde que agendadas previamente. Não há previsão para que a situação seja normalizada.

Leia mais notícias em Cidades

O Planetário voltou a receber o público em 2013. Sem o projetor em pleno funcionamento, a cúpula é visitada para a visualização do céu de Brasília e, mesmo assim, apenas com o aparelho analógico. Ele foi restaurado e serve para apresentações ao vivo, com explanações feitas pelos monitores. Essa é a principal atração do local, que conta, também, com um equipamento digital de origem alemã. De acordo com a Sect, no entanto, a bateria do PowerDome VII acabou. “Essas baterias têm tempo de vida útil entre 2 a 3 anos. O sistema não tem uma forma de monitoramento de quanto tempo de vida ainda resta. O conjunto instalado no PowerDome VII do Planetário de Brasília funcionou por 2 anos e meio e, infelizmente, parou de funcionar”, informou a Secretária de Ciência e Tecnologia e Inovação, por meio da assessoria de Comunicação.

A Sect acrescentou que as baterias são fabricadas sob demanda; por isso, o órgão solicitou a aquisição de novas para a Casa Civil. A previsão é de que o processo de licitação demore cerca de dois meses para ser concluído. Dessa forma, acredita-se que o Planetário volte a funcionar sem limitações apenas em 2017. Os equipamentos do PowerDome VII custam R$ 18 mil.

Durante o período de manutenção, a cúpula do Planetário permanecerá aberta só para centros de ensino. Mas a exposição com temática espacial está liberada ao público. A secretaria reforçou que “as escolas agendadas foram avisadas sobre as restrições de funcionamento, e a maioria aceitou permanecer na lista de visitas agendadas”.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui   

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade