SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Operação leva clima de guerra a São Sebastião; moradores ficam sem ônibus

Ônibus incendiados, pedras, fogos de artifício e gás de pimenta marcaram a desocupação no Núcleo Rural Zumbi dos Palmares

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/11/2016 06:00 / atualizado em 11/11/2016 00:02

Walder galvão*

Breno Fortes/CB/D.A Press

   
O clima de guerra marcou nessa quinta-feira (10/11) o Núcleo Rural Zumbi dos Palmares, em São Sebastião. Fogos de artifício, gás de pimenta, pedras e barricadas em chamas fizeram parte do cenário da região durante o confronto entre moradores e policiais militares. Desde terça-feira, a Agência de Fiscalização (Agefis) realiza o processo de derrubada de casas em área pública, localizadas nas chácaras 40 e 41. Entretanto, a resistência dificultou o trabalho.

 

 


A confusão no local teve início por volta das 6h. O Corpo de Bombeiros foi acionado para combater o incêndio em um ônibus no Morro da Cruz, em São Sebastião, próximo ao ponto das demolições. Manifestantes atearam fogo ao veículo depois de evacuarem cerca de 20 passageiros. Ninguém ficou ferido. Com a chegada da Polícia Militar, o grupo se dispersou. Em seguida, outro coletivo foi destruído perto dali. Desta vez, uma mulher de 47 anos precisou ser transportada pelos bombeiros para o Hospital Regional do Paranoá. Ela estava com dores nas costas e na perna direita. Policiais militares impediram, ainda, uma terceira tentativa de incendiar ônibus.

 


A resistência dos moradores também chegou à interdição da DF-463, com barricadas feitas com galhos, pneus e entulho. Os bombeiros retiraram a barreira, mas a região ficou sem transporte público durante todo o dia. A secretária Kézia Lais Nunes, 31 anos, trabalha na Esplanada dos Ministérios e não conseguiu pegar um ônibus para a área central de Brasília. “Entro no serviço às 13h. Tive de pedir ao meu namorado para me levar e, assim, conseguir chegar na hora. Fiquei até com medo de sair de casa, porque não sabia se teria como voltar”, conta.

* Estagiário sob a supervisão de Guilherme Goulart

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade