Seja um Papai Noel neste ano: pegue uma cartinha nos Correios!

As cartinhas do projeto podem ser "adotadas" nos Correios até 30 de novembro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/11/2016 08:00 / atualizado em 12/11/2016 08:38



Já imaginou quantas crianças existem no mundo? Deve ser muito difícil para o Papai Noel entregar presentes a essa garotada toda! Mas ele conta com ajudantes: qualquer um pode ser Noel por um dia e auxiliar o Bom Velhinho na missão de garantir um Natal especial para todos. Basta adotar uma cartinha do projeto Papai Noel dos Correios, que começou ontem (11), e, assim, se tornar padrinho ou madrinha.


O objetivo da iniciativa é garantir que crianças de todo o Brasil recebam respostas do ilustre morador do Polo Norte. Na 28ª edição do projeto, foram sorteadas 40 escolas da rede pública do DF para participar do programa, que segue um esquema de rodízio. A cada ano, instituições diferentes são selecionadas. Todas as crianças receberão as cartas de retorno, mas os presentes dependem de ajudinha dos milhares de padrinhos e madrinhas que adotam cartas em todo o Brasil.

Pequena madrinha

Não é só quem ganha os presentes que se sente bem em participar. Georgia Roscoe, 10 anos, conta que adotou a cartinha de uma criança com ajuda da mãe pela primeira vez este ano e está muito animada. Para ela, o maior motivo para adotar uma carta é saber que pode fazer alguém feliz.


— É muito bom receber o presente, mas mais importante que isso é saber que existem pessoas que se preocupam com as crianças. Esse carinho que as pessoas têm umas pelas outras é o verdadeiro espírito do Natal!


Bons meninos
Ana Beatriz Gonçalves, 11, é uma das 15 mil crianças que foram boazinhas o ano inteiro e prepararam cartas recheadas de desejos de Natal. Ela é aluna do 4º ano do Centro Educacional 4 de Brazlândia, na comunidade rural Curralinho, e pediu ao Bom Velho o jogo de tabuleiro Banco Imobiliário.


— Precisei da ajuda da mamãe — porque estava na dúvida entre pedir um boneco bebezão —, mas eu me decidi pelo Banco Imobiliário! Eu posso trazer para a escola e brincar com os amigos no intervalo, é muito divertido.


Colega de turma de Bia, Samuel Lima, 9, pediu um carro de controle remoto — assim como Fabrício Soares, 12, e Elias Dias, 11 — e garante que o presente deve ser de um tipo especial.


— Eu ficaria feliz em ganhar qualquer carrinho, mas os de corrida são os meus preferidos e são mais bonitos!
Carlos Gonçalves, 11, não quis seguir o exemplo dos amigos. O pedido do menino é um boneco do Homem de Ferro, da série de filmes Os vingadores.


— Eu queria desde o ano passado, mas meus pais não tiveram condições de me dar. Por isso, este ano, decidi pedir para o Papai Noel, conta.


Os alunos tiveram ajuda dos professores das turmas, Maria de Fátima Alves e Francisco Valdex, para escrever as cartas e aprender um pouco mais sobre  português. Cada um fez o pedido: podia ter até desenho!
Além do carrinho de controle remoto, outros pedidos são comuns nas cartinhas das crianças. A boneca Baby Alive é um sucesso entre as meninas! Outros brinquedos recorrentes são Barbies, bolas e helicópteros de controle remoto.

Adote!
As cartinhas estão disponíveis até 30 de novembro na Casa do Papai Noel, que fica na Universidade dos Correios —  SCEN, Lote 4, L4 Norte, abaixo do câmpus Darcy Ribeiro da Universidade de Brasília (UnB). É preciso estar acompanhado dos pais, pois são eles que fazem a adoção, mas as crianças podem ajudar a escolher o presente, que deve ser entregue no mesmo local até 3 de dezembro.


Não deixe para o último dia! Nos dois últimos anos do projeto, todas as cartinhas foram adotadas antes do prazo final. A entrega dos presentes pelo Papai Noel dos Correios foi agendada em cada uma das escolas em uma data diferente. Por isso, para participar da entrega e ter a chance de conhecer pessoalmente o afilhado que escreveu a carta, é necessário perguntar o horário e local onde a cartinha será entregue quando for deixar o presente e ir com os pais ou responsáveis.

*Estagiária sob a supervisão de Ana Paula Lisboa

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.