SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Violência: Luziânia teve, em média, sete assaltos por dia em 2016

Ataques de bandidos armados a pedestres, comércios e veículos estão em alta na cidade vizinha ao Distrito Federal, principalmente na área central. Além da insegurança, a população reclama da falta de policiamento ostensivo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 15/11/2016 06:40 / atualizado em 15/11/2016 17:51

Thiago Soares

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press - 8/11/16

 

Assaltos frequentes assustam Luziânia. Nos últimos meses, roubos de veículos e a comércios aumentaram a sensação de insegurança na cidade goiana, distante cerca de 60km de Brasília. Bandidos armados não esperam o anoitecer. Os casos ocorrem à luz do dia, mesmo com a presença de câmeras de segurança em alguns estabelecimentos e em locais de grande movimento. A maioria dos assaltos ocorre na região central do município, onde a população reclama da falta de policiamento efetivo.

Leia mais notícias em Cidades

Os alvos dos ladrões ficam em uma parte de Luziânia que ainda guarda características de interior. Em meio a construções históricas e vendinhas, o ar moderno do comércio ainda dá impressão de tranquilidade. Porém, essa sensação diminuiu com o tempo. O empresário Dilson de Oliveira Júnior, 36 anos, teve a padaria assaltada duas vezes em menos de 40 dias. Na primeira, o assaltante esperou alguns clientes saírem para atacar o comércio. Na segunda, houve violência. Durante a ação, ele agrediu uma funcionária. “Ela ficou traumatizada. Tive de dar férias”, lamenta. O crime ocorreu por volta das 13h de um domingo.“Eu nasci aqui, era uma cidade tranquila de se viver. De um tempo para cá, tem sido difícil. A violência está aumentando, e nada é feito. Ficamos com receio disso tudo”, afirma Dilson.

 

A professora Daiane de Araújo, 30, foi abordada por volta das 6h30, quando aguardava no ponto de ônibus próximo à antiga residência dela. “Ele (bandido) chegou em uma moto e desceu mostrando a arma. Anunciou o assalto e me fez abrir a bolsa. Levou celular, carteira e dinheiro”, queixa-se. Depois disso, Daiane se mudou de casa e passou a ter receio de andar na rua. “É uma onda de violência. As pessoas não têm mais tranquilidade. Os bandidos não escolhem horários. Podemos ser roubados a qualquer hora do dia. E a presença da polícia é pouca. Veem-se poucos militares por aqui”, reclama. No período em que a reportagem ficou na cidade, pouco mais de cinco horas, avistou-se apenas uma equipe da PM.

 

 


Levantamento da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária de Goiás confirma a apreensão da população de Luziânia. Houve 2.003 assaltos a pedestres até outubro de 2016, contra 1.663 no ano passado — a média é de quase sete por dia. Os roubos de veículos chegam a 860. No ano passado, foram 797 (veja Insegurança). Uma farmacêutica de 34 anos é uma das mais recentes vítimas de criminosos armados. Há duas semanas, no centro da cidade, ela chegava à escola das três filhas, às 13h20, quando dois bandidos em uma moto a surpreenderam. A dupla exigiu a chave do carro, e a mulher se desesperou, pois a caçula, de 4 anos, estava no banco traseiro. “Só pedi a eles para deixarem eu pegar a minha filha. Felizmente, deixaram, e eu saí correndo. Nunca pensei viver algo parecido. Hoje, tenho medo de sair de casa. Vejo alguma motocicleta e me lembro de tudo”, detalha. Depois disso, os diretores do colégio contrataram um segurança particular.

Ocorrência

O comandante do 10ª Batalhão de Polícia Militar de Luziânia, major Alberto Carlos Clemente, intensificou o patrulhamento na área central. “Pelo menos uma vez por semana, comando uma operação para intensificar as ações da PM. Para reforçar, também estamos empregando nas ruas os integrantes do Batalhão de Choque e da banda de música”, revela. O oficial argumentou, no entanto, que falhas na legislação contribuem para o aumento da criminalidade. “Prendemos, não passam poucas horas, e o bandido já está solto. Estamos fazendo esforços, mas a situação fica complicada diante da lei”, critica.

Por meio de nota, a Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária de Goiás informou que a Polícia Militar está orientada a ampliar as rondas ostensivas na cidade vizinha ao DF. “A secretaria lembra, ainda, que estão em andamento novos concursos para a contratação 3.360 policiais, que vão reforçar o efetivo dos municípios goianos, inclusive Luziânia”. O órgão também ressaltou a importância da denúncia à polícia. “A recomendação é que os moradores vítimas de atos criminosos façam registro das ocorrências para que sejam procedidas as devidas investigações”, detalha o texto.


A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade