SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Hospital das Forças Armadas abre sindicância contra médicos suspeitos

A unidade de saúde vinculada ao Ministério da Defesa iniciou a apuração interna a pedido do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/11/2016 06:00 / atualizado em 16/11/2016 07:42

Otávio Augusto

Daniel Ferreira/CB/D.A Press - 14/10/11


Apontado como um dos médicos mais atuantes no esquema investigado pela Operação Mister Hyde, Rogério Gomes Damasceno é alvo também de uma sindicância no Hospital das Forças Armadas (HFA), no Cruzeiro, onde trabalha há 14 anos. A unidade de saúde vinculada ao Ministério da Defesa iniciou a apuração interna a pedido do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), após uma possível ligação de profissionais do HFA com a Máfia das Próteses — fraude com órteses e próteses vencidas e cirurgias desnecessárias. Rogério chegou a ficar preso temporariamente.

A promotoria de Justiça Criminal de Defesa dos Usuários dos Serviços de Saúde (Pró-Vida) encaminhou documentos e áudios de conversas à direção da instituição hospitalar para encorpar a investigação. Em trechos das gravações feitas pela Polícia Civil, Rogério se refere a escolhas de “comportamento” adotado no HFA. “Ele fez comentários sobre procedimentos realizados no hospital”, detalha o promotor Maurício Miranda.

O suspeito ingressou em abril de 2002 no quadro de funcionários do Hospital das Forças Armadas como médico classe D. Em julho de 2009, ele ganhou uma promoção e passou para classe A. A remuneração do profissional, de acordo com levantamento do Portal da Transparência do Governo Federal, chegou a R$ 15.286,48, em setembro, dado mais recente divulgado. A carga horária dele é de 20 horas semanais na neurocirurgia. A defesa do médico não comentou o caso.

O Comando Logístico do HFA coordena a investigação no hospital. Por a sindicância ainda estar em andamento, a unidade não detalhou a apuração. “A operação abrange uma possível participação de médicos que também trabalham no Hospital das Forças Armadas (HFA). Atendendo solicitação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, instauramos sindicâncias para colaborar com a referida investigação”, informou a unidade, em nota. Em setembro, a instituição havia negado qualquer envolvimento de profissionais de sua equipe na Máfia das Próteses.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade