Escola de italiano que promove viagens enogastronômicas conquista o público

Casal abriu escola de italiano que promove viagens enogastronômicas e conquista o público unindo conteúdo e paixão pela cultura do país europeu

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/11/2016 08:00


Antonello Monardo, 56 anos, e Gabriela Monardo, 42, transformaram os laços que possuem com a Itália em um negócio. Ele nasceu em Régio da Calábria, província localizada no que poderíamos chamar de “a pontinha da bota” no mapa do país Europeu. Ela tem padrasto italiano e cursou letras-italiano na terra das massas. Ambos se conheceram em Brasília e, hoje, têm uma filha de quatro anos. Outro fruto do casamento é o Parlando Italiano — cantando, mangiando, viaggiando (www.parlandoitaliano.com.br), instituição aberta há sete anos, dedicada a promover cursos regulares (de três anos) e intensivos sobre o idioma latino, além de viagens enogastronômicas pela República Italiana. Gabriela é responsável pelas aulas, enquanto Antonello cuida das viagens. Localizada no Edifício Vega Luxury Design, na Quadra 1 do Setor Comercial Norte, a instituição exige muito trabalho.


“Nos dedicamos muito. Passamos praticamente 24 horas no negócio. É uma empresa pequena, com duas funcionárias. Então, atendemos telefone, fazemos de tudo”, conta Gabriela. Segundo ela, outro motivo para o sucesso é o fato de o local ser muito aberto aos alunos. “Nossas inovações vêm da demanda que o próprio público traz.” Uma novidade é o clube Gusto Italiano, em que assinantes recebem produtos típicos e descontos. “A cada mês tem um presente: vinho, azeite, cafeteira…”, conta Antonello, que se divide entre o Parlando Italiano e o Monardo Café, aberto por ele em 2000. A unidade, que é em formato de franquia, fica no mesmo prédio do Parlando Italiano.


Lá, o público tem acesso ao curso de barista ministrado por Antonello, que está na 19ª edição. Aproximar-se dessa atividade tem um toque “surreal”, segundo o empresário. “Meu avô veio ao Brasil em 1926, não teve sorte e morreu. Acredito que eu tinha uma missão de vir para cá trabalhar com café. Eu resgatei o que ele não conseguiu fazer”, define. O contato de Antonello com o Brasil começou em 1990, quando se casou com uma brasiliense. “Em 1996, nos mudamos para cá. Depois de um ano e pouco, nós nos separamos, mas continuei aqui”, lembra. A paixão dele pela bebida estimulante é tão grande que, em 2009, a editora Senac lançou o livro Louco por café, de autoria de Leandro Fortes, que conta a história do italiano.

 

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.