SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Estudantes realizam a terceira fase do Programa de Avaliação Seriada da UnB

Provas começaram às 13h e serão sobre conhecimentos e redação em língua portuguesa

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/11/2016 10:23 / atualizado em 27/11/2016 16:00

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

 

Acontece hoje a terceira etapa do Programa de Avaliação Seriada (PAS) da Universidade de Brasília (UnB). Os portões foram abertos pontualmente ao meio dia e foram fechados por volta das 13h15. 

 

Os mais de 11,5 mil estudantes fazem provas de conhecimentos e de redação em língua portuguesa. As provas do subprograma 2014 começaram às 13h e terão duração total de cinco horas.

 

Ao todo, são 4.222 vagas distribuídas entre 99 cursos nos quatro câmpus da universidade. O ingresso dos estudantes será dividido nos dois semestres letivos de 2017: 2.112 vagas para o primeiro e 2.110 para o segundo. As provas terminam às 18h15.  

 

No Uniceub, o clima era de tranquilidade. "Estou confiante de que vou conseguir a vaga pois tenho boas notas nas provas anteriores", afirmou Rogério Bontempo, 18 anos, estudante do Sigma. Ele está concorrendo a uma vaga no curso de Direito. 

 

 

 

Os locais de prova podem ser conferidos no site do Cespe. A consulta é feita por meio do CPF do candidato. A previsão e que os gabaritos oficiais preliminares dos itens dos tipos A, B e C e os padrões de respostas dos itens do tipo D sejam disponibilizados no dia 30 de novembro, a partir das 19h.

 

Os resultados provisórios dos itens do tipo D da prova de conhecimentos e da redação em Língua Portuguesa estão previstos para serem publicados em 20 de dezembro. O período para interpor recurso começa no dia seguinte à liberação dos gabaritos, a partir das 9h. O prazo termina às 18h do dia 2 de dezembro.

 

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Leonardo
Leonardo - 27 de Novembro às 16:04
Estes não querem viver de assistencialismo !