SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Governo de GO finaliza estudo para ampliar a Chapada dos Veadeiros

Área preservada passaria de 65 mil para 249 mil hectares. Documento será analisado hoje por Marconi Perillo. Apesar de o projeto ser federal, precisa do aval estadual para ser implementado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/11/2016 06:05 / atualizado em 28/11/2016 23:10

Renato Alves

Carlos Silva/CB/D.A Press -  20/9/16

 

Ambientalistas de Goiás e do Distrito Federal esperam para hoje uma notícia aguardada há quase cinco anos. O governo goiano deve dar o aval para a ampliação do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Apesar de pertencer à União, o sinal verde estadual é necessário para o prosseguimento do processo de alteração da área da reserva, distante 240km de Brasília. A região é conhecida no Brasil e no mundo como um polo de turismo com base na conservação da natureza.

O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), deve receber hoje a íntegra do documento que detalha o aumento da área de preservação da Chapada, concretizado ontem pela Secretaria das Cidades e Meio Ambiente de Goiás (Secima). O terreno deve ser ampliado de 65 mil para 249 mil hectares. Com o estudo em mão, Perillo pretende se reunir com o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, também a favor do projeto.

Leia mais notícias em Cidades

A tentativa de ampliação, iniciada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio, ligado ao Ministério do Meio Ambiente), em parceria com ONGs, depende do chancelamento da Casa Civil e da posterior assinatura da Presidência da República para entrar em vigor. Nos últimos quatro anos, os defensores da ampliação do Parque da Chapada organizaram diversos estudos socioambientais e consultorias para delinear o novo espaço.

Nesse período, três audiências públicas reuniram a sociedade, como determina o protocolo. Além de ambientalistas e agricultores, pequenos e grandes proprietários tiveram a oportunidade de se posicionar. Após o processo, o ICMBio encaminhou a documentação ao Ministério do Meio Ambiente, que chancelou o projeto. A iniciativa aguarda o aval do Governo de Goiás para uma avaliação final do Palácio do Planalto.

Há duas semanas, houve uma reunião com todos os setores envolvidos na esfera estadual. Defensores do meio ambiente, políticos e produtores rurais da região fecharam um acordo, que motivou a reunião de ontem, na Secima, para a conclusão do projeto. O superintendente da área de proteção ambiental e unidades de conservação de Goiás, José Leopoldo de Castro, afirmou que o governador pediu que fosse formatada uma proposta para ser examinada logo. “O governo não é contra a ampliação das áreas. O objetivo é estudar as propostas para definir como será realizada a implementação.”

Desmatamento 


Desde a criação, em 1961, o parque perdeu quase 90% da área original. “O impacto da redução da área é, principalmente, na fragilização da conservação da biodiversidade da região. Ecossistemas inteiros ficam vulneráveis ao desmatamento e à degradação”, ressalta o analista ambiental Fernando Tatagiba. Ele e integrantes de ONGs dizem ter pressa para evitar mais destruição do cerrado, sobretudo devido às monoculturas de soja.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Edison
Edison - 29 de Novembro às 15:04
Ampliar é louvável! No entanto se não investirmos em educação e conscientização só estaremos aumentando o problema de conservação do parque. Tem que ter fiscalização e punição.

publicidade