SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Câmara Legislativa do DF adia votação do Iprev para quinta-feira

Apesar da aprovação em três comissões, distritais alegam abertura de diálogo com sindicalistas para transferir a definição sobre o uso de recursos do Instituto de Previdência dos Servidores como forma de honrar a folha sem atraso ou parcelamentos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/11/2016 06:00

Ed Alves/CB/D.A Press - 24/8/16

O projeto de lei complementar que autoriza o Executivo local a captar R$ 493,5 milhões do superavit do Instituto de Previdência dos Servidores do Distrito Federal (Iprev) para garantir o pagamento em dia do funcionalismo público até fevereiro de 2017 provocou divergências na Câmara Legislativa. O prolongamento das deliberações, que duraram pouco mais de duas horas, acarretou o adiamento da votação da proposta para amanhã, às 9h, em sessão extraordinária. O deficit para alcançar o montante total dos salários totaliza R$ 175 milhões. Assim, se o aval à iniciativa não ocorrer até esta quinta-feira, o governo quitará apenas 80% dos vencimentos no quinto dia útil. O restante será depositado nas contas dos integrantes do funcionalismo somente em 14 de dezembro.


O Iprev é integrado por dois segmentos vinculados ao Palácio do Buriti. A proposta encaminhada pelo Executivo local à Câmara Legislativa autoriza o uso de 75% do superavit de R$ 658 milhões do fundo capitalizado, integrado por cerca de 30 mil servidores nomeados a partir de 2007, ao fundo financeiro, composto por 184 mil funcionários públicos contratados até o fim de dezembro de 2006. Este último conta com um rombo de R$ 2,2 bilhões. A transferência de valores solicitada pelo Buriti garantiria o pagamento do 13º, das férias, pecúnias, licenças-prêmio e de débitos com fornecedores, além da quitação dos salários. O GDF espera saldar todas as dívidas referentes a 2016 com tais recursos.

A proposta prevê a restauração do Iprev mediante a oferta de ações do Banco de Brasília (BRB). Caso os valores necessários à reconstituição ultrapassem o montante de ativos disponíveis a acionistas minoritários, o Executivo local deve, no prazo improrrogável de 90 dias contados a partir da avaliação, indicar novas formas de pagamento. O projeto de lei complementar foi encaminhado ao Legislativo local após o governo de Brasília anunciar que, atualmente, tem apenas 85% do subsídio necessário para honrar a folha salarial.

A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
deusdede
deusdede - 30 de Novembro às 09:35
Gostaria de entender: Onde está sendo gasto o orçamento aprovado pela CLDF de quase 40bi, sem contar com o repasse do Governo, o da arrecadação dos impostos?Outro fato q/não entendo é as diversas propagandas nos meios de comunicação feitas pela CLDF. Não precisa dizer q/fez, não foi eleita p/fazer? Sua atuação vemos quase todos os dias de suas atrapalhadas. Não tem dinheiro para o essencial, mas tem p/propagada, inclusive afirmando q/o pagamento do IPVA é p/manutenção da energia elétrica, fato q/somos nós q/pagamos. São uns brincalhões.