SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Cavalos resgatados das ruas por grupos de protetores aguardam adoção

Grupos de protetores de animais têm dificuldade para abrigar os bichos que são resgatados nas ruas. John, Matteo e Fred, três cães em situação de risco, e Nicoletta, uma égua vítima de maus-tratos, aguardam por adoção

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/01/2017 06:00 / atualizado em 11/01/2017 10:25


Apesar de todos os esforços, voluntários ainda passam por dificuldades para ajudar animais. Não basta apenas amor. Nem todas as pessoas têm dinheiro, espaço adequado e tempo para cuidar deles — afinal, ração, vacina, remédio, castração e limpeza resultam em muitos custos. Encontrar famílias que aceitem os bichos torna-se, portanto, um desafio. Essa é a última fase no processo de resgate, mas, em alguns casos, não é continuada. Duas iniciativas independentes procuram um lar para três cachorros e uma égua na capital federal.
A fundadora do Grupo de Mobilização Resgates em Brasília, Sângely Caldeira, 38 anos, conta que as pessoas que costumam ajudar estão com as casas lotadas de cães e gatos e não podem mais receber bichos — 120 animais foram resgatados pela iniciativa. “Hoje, a maior dificuldade é encontrar lares provisórios ou temporários para logo depois do resgate. Há locais que recebem os bichos, mas cobram diárias. Dessa forma, o dinheiro que era para a compra de um remédio, por exemplo, acaba indo para manter um lugar para o animal morar”, explica.

Há dois anos, o grupo de Sângely recolhe, trata e encaminha animais em situação de rua ou vítimas de maus-tratos. Abrigados em uma chácara de Planaltina, atualmente, os cães John, Matteo e Fred estão à procura de um lugar para viver. O cuidador recebe R$ 750 mensais pelo abrigo. “Não tenho mais condições de custear isso. Desde junho de 2014, estou mantendo esse aluguel. Além da questão financeira, para o animal, é melhor viver em um lar onde é bem tratado e se afeiçoa ao dono”, completa a fundadora.
 
Saiba como ajudar
 
Os interessados podem enctrar em contato com o grupo pelos seguintes meios: 
 
Telefones
 
(61) 98406-0294 / 99984-8063 / 4141-6420
 
E-mail
 
cavaleirosdesaojorge.ce@gmail.com 
 
 
* Estagiária sob a supervisão de Sibele Negromonte
 
A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.