Conheça alguns dos novos blocos de rua do carnaval brasiliense

Com ritmos e público variados, eles prometem muita animação durante o reinado de Momo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 23/02/2017 06:05 / atualizado em 24/02/2017 11:00

Minervino Junior/CB/D.A Press


Ano a ano, Brasília se consolida também como a capital do carnaval. E com tanta gente tomando as ruas, avenidas e quadras da cidade, o número de blocos estreantes cresce na mesma proporção da animação. Das mais de 100 agremiações que desfilarão este ano, muitas são novatas, com ritmos e públicos variados. Hoje, por exemplo, o frevo dará lugar à música latina e o samba se transformará em salsa e merengue. A inspiração deixará de ser o Rio de Janeiro e Pernambuco no bloco Bora pra Cuba. Pela primeira vez na festa de Momo, os organizadores mostram a diversidade que só a época de carnaval pode proporcionar.

 

Leia mais notícias em Cidades

 

Uma das fundadoras do bloco, Juliana de Andrade, 36 anos, acredita que o carnaval é a melhor época para se divertir e viver a tradição do povo. Para ela, o assunto é questão de vida. “Eu me assumi carnavalesca. O carnaval, para mim, é Deus, é tempo, uma forma de a gente estar neste mundo e pertencer a ele”,  diverte-se.

O nome do bloco também faz uma manifestação sobre a política e as questões ideológicas que marcaram o ano de 2016. Do impeachment de Dilma Rousseff à morte de Fidel, a solidariedade para Cuba foi o principal ponto a ser trabalhado durante o festejo. Para a organizadora, não é possível fazer uma reverência à cultura cubana, que ainda é um marco anticapitalista, sem falar de política. “O Brasil precisa dialogar com isso, e não tem forma melhor do que por meio das nossas vidas criativas, desse intercâmbio cultural”, explicou Juliana.

Uma das atrações musicais é a banda Sabor de Cuba, que reúne nove músicos oriundos de Cuba, da Colômbia e do Brasil. O músico Ricardo Vieira, 34 anos, acredita que a ideia do festejo deles é justamente convidar os foliões a escutar outro estilo de música, que fuja do samba e das marchinhas de samba. “Nossa ideia é difundir a cultura latina em geral. Aqui em Brasília, está começando a pegar. Já tem aulas, festas de música latina. Eu acho que vai ser bem animado e divertido”, conta. Para o colombiano Manuel Urbano, 36, a aceitação que tanto a banda quanto o bloco estão recebendo por causa da ideia diferente é muito grande. “Tem muita gente com interesse de música latina. Eu fico muito feliz e empolgado quando vejo gente curtindo nossa música.”

Mas não é apenas Cuba que está na lista de lugares homenageados pelos blocos estreantes. A própria capital federal também entra na folia. O Bloco do Quadrado faz uma brincadeira entre o nome e o contorno do Distrito Federal desenhado no mapa brasileiro. Também localizado na Praça dos Prazeres, o festejo pretende divulgar muito trabalho autoral das bandas convidadas, em sintonia com axé dos anos 1990, samba, frevo e marchas de carnaval.

O bloco foi fundado pelo Coletivo do Quadrado, um grupo de artistas — de teatro, música e poesia — que trabalha há um ano e meio na produção e divulgação de projetos brasilienses. A musicista Litieh Martins, 28, acredita que o grupo e o bloco não somente falam sobre o carnaval, mas também lutam pela pluralidade de pessoas, combate ao preconceito e igualdade de gênero. Além disso, ao promover o trabalho autoral, a expectativa é de que a cultura no DF cresça. “A gente quer sempre mostrar nossa arte, trazendo música, fazendo o que a gente faz com alegria e mostrando para as pessoas. 

A gente rala pra caramba, então vamos até onde a cultura está sendo consumida. Ninguém vive sem cultura”, afirma.
Outro estreante na folia brasiliense tem como ideologia o rock nacional. Inspirado na música de mesmo nome da banda Legião Urbana, o bloco Eduardo e Mônica surgiu por parte de um grupo de 12 amigos músicos, que já tocavam e apresentavam as próprias bandas de pop e rock pela cidade. Para agradar a todos, os ritmos das músicas serão variados e o objetivo é que o folião possa cantar e se divertir com as melodias que animam as festas de diferentes gerações.

Exemplo

E quem já teve a missão de colocar um bloco na rua pela primeira vez sabe como o processo pode ser difícil. O Vai com as Profanas fez sua estreia na festa de Momo no último sábado. Para uma das organizadoras do bloco, Carol Ferrare, a parte mais difícil foi a ansiedade para saber se tudo ia dar certo, principalmente, por causa de patrocínio privado. “O bloco não se paga, a gente investe tempo, dinheiro e não tem lucro, então a Secretaria criou uma lei para o carnaval para buscarmos patrocínio. A gente só soube que ia sair com certeza 10 dias antes”, explicou.

Mas isso não quer dizer que o trabalho duro não compensou o resultado. Ferrare conta que o evento foi todo tranquilo, sem assédio ou outras ocorrências graves. “Foi tudo maravilhoso. E, mesmo com pouco tempo de divulgação, as pessoas compraram a nossa ideia. Deu tudo certo”, afirmou. Ao todo, a estimativa é de que de 4 mil a 5 mil foliões tenham aparecido para colorir as ruas junto com o Vai com as Profanas. No ano passado, o grupo realizou um festejo fora de época, em agosto, e, por causa do sucesso, retornou à folia. Na música, a ideia foi uma mistura entre a cultura tropicalista e a ideologia feminina.

Mudanças 

Quem quiser criar um bloco de rua deverá ficar atento para algumas exigências a partir de 2018. Tanto o cadastro, quanto a emissão de alvarás e licenças devem ser emitidas por meio do Centro Integrado de Atendimento ao Carnavalesco. Mas, para isso, os interessados devem solicitar os serviços públicos com, no mínimo, 30 dias de antecedência. A licença é obrigatória para que o governo possa avaliar como distribuir os serviços públicos de segurança, estrutura e mobilidade para os dias de folia. Também estão prevista a combinação entre o financiamento estatal e a criação de editais de patrocínio direto.


Agende-se

Confira a programação de alguns blocos estreantes na folia de carnaval

Bora pra Cuba
Hoje, às 15h
Praça dos Prazeres — 201 Norte

Bloco Bora Coisar
Hoje, às 16h
Praça dos Prazeres — 201 Norte

Festa Carnaviola
Sexta, às 19h
Casa do Cantador — QNN 32, 
Ceilândia Sul

Bloquinho Multiplicidade
Sábado, às 10h
702/703 Norte


Bem Meb Bloco
Sábado, às 16h
Setor Comercial Sul, Quadra 2

Eduardo & Mônica
Domingo, às 13h
Setor de Indústrias Gráficas 
(SIG), Quadra 8

Bloco do Quadrado
Segunda, às 16h
Praça dos Prazeres, 
201 Norte 

Você no Correio

Quer compartilhar sua alegria neste carnaval? Ao postar nas redes sociais suas fotos no meio da folia, escreva a hashtag #Cbfolia. Os melhores cliques estarão no site do Correio, no instagram (@cbfotografia)  ou no jornal impresso.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.