Foliões tomam as ruas para acompanhar o tradicional Galinho de Brasília

O bloco ainda fará no fim da tarde o trajeto do trio elétrico, que segue até a altura da 209/109 da Asa Sul

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/02/2017 17:16 / atualizado em 25/02/2017 18:50


A bateria da Associação Recreativa Cultural (Aruc) já começa a animar os foliões no Galinho de Brasília, no Setor de Autarquias Sul, neste sábado (25/2). Crianças, famílias e jovens já participam e lotam a concentração do bloco que, mesmo com chuva fraca neste início de tarde, promete levar mais de 60 mil foliões às ruas.
 

A estudante Lívia Queiroz, 13 anos, mora no Cruzeiro e não poupou esforços para se produzir para o Galinho de Brasília. "A minha roupa é em homenagem ao boi, símbolo do carnaval. Pretendo dançar bastante e animar todos que vierem aqui para o Galinho", afirma.
 
A orquestra Marafraboi, com 25 músicos e sob a regência do maestro Fabiano, está aquecendo a galera que ainda está concentrada no bloco. Segundo a diretora do bloco, Wendy Domingues, 43, a expectativa de público este ano é de 60 mil pessoas. No ano passado, o mesmo bloco colocou mais de 100 mil foliões na rua. 
 
Neste ano, o bloco teve um pedido de casamento inusitado anunciado no microfone do trio elétrico. O estudante de biologia Guilherme Karim, 23, trocou alianças com a fisioterapeuta Eduarda Pimentel, 25. Eles se conheceram no Galinho de Brasília há três anos. A data do casamento já está marcada para o próximo dia 15 de março. " Estamos muito felizes e no ano que vem iremos pro Galo da Madrugada, em Recife," comemora Guilherme. 
 
Um grupo de servidoras públicas teve uma ideia irreverente no bloco Galinho de Brasília e fez uma crítica à atual situação política do país. Com o título "Vamos limpar esta M..." o grupo está fantasiado com um grande rolo de papel higiênico. "É uma forma de nos manifestarmos contra o atual cenário político," disse Alexsandra Borges, 49.
 

 
 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.