Polícia Civil apreende 60kg de maconha e prende três pessoas em flagrante

A substância era trazida de Goiânia e distribuída a traficantes menores de Santa Maria, Gama e Valparaíso

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/03/2017 11:33 / atualizado em 17/03/2017 12:03

Divulgação/PCDF
 
 
A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) apreendeu na noite de quinta-feira (16/3), por volta das 20h, 60kg de maconha e prendeu em flagrante três pessoas na altura do Engenho das Lages, na BR-060. Os 62 tijolos da droga foram avaliados em R$ 100 mil. A ação foi um desdobramento da Operação Palermo, que teve o apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF). 
 
 
O líder da quadrilha era Sérgio Antônio Oliveira da Silva, de 38 anos. Ele e Renato Lopes de Sousa, 29, dirigiam uma blazer, que servia de batedor do esquema. Já Hamilton Júnior dos Santos Freitas, 36, estava em um Uno que transportava a droga em caixas.
  
Os envolvidos foram autuados em flagrante por tráfico interestadual de drogas e associação ao tráfico. A pena varia de nove a 25 anos de prisão. Segundo o delegado Rodrigo Bonach, coordenador da Coordenação de Repressão às Drogas (Cord-PCDF), Sérgio e Renato já tinham passagem pela polícia por receptação, roubo e formação de quadrilha.
 

De Goiânia à capital federal  

Após dois meses de investigações, foi detectado o esquema de tráfico interestadual envolvendo o estado de Goiás e do Mato Grosso. A maconha era trazida para ser distribuida em Santa Maria, Gama e Valparaíso, abastecendo ainda outros traficantes de menor porte.
 
“Eles agiam receptando e remetendo veículos roubados. Adquiriam a droga mais barata com o objetivo de revender com um lucro maior. Eles buscavam a substância em Goiás, porque era mais barata e por causa da localização geográfica do estado”, afirmou Bonach. 
 
A Operação Palermo, que faz referência à marca de cigarro que os criminosos contrabandeavam do Paraguai para o Brasil antes de atuar no tráfico de drogas, se iniciou há dois meses.
 
De acordo com o delegado, a investigação continuará até que o fornecedor da quadrilha seja localizado. 

*Estagiário sob supervisão de Humberto Rezende
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
José
José - 17de Março às 18:23
A PCDF enganou, os caras tinham a intenção de construir um prédio ecológico com tijolos da maldita erva.