Obras no Teatro Nacional começarão até o fim do ano

O Ministro da Cultura disse que não aceitaria o valor previsto pelo GDF para reforma do Teatro Nacional. Agora, o projeto será revisto e readequado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/04/2017 20:55 / atualizado em 20/04/2017 20:56

Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press
O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, anunciou que vai readequar o projeto executivo de reparos do Teatro Nacional. Dois dias antes, o ministro da Cultura, Roberto Freire, afirmou, em entrevista ao Correio, que não aceitaria o valor previsto pelo GDF para reforma do Teatro Nacional. Na tarde desta quinta-feira (20/4), Rollemberg anunciou também o término das obras de ampliação do Museu de Arte de Brasília (MAB), a revitalização de endereços do Plano Piloto e outras ações em comemoração aos 30 anos de Brasília como Patrimônio da Humanidade. 
 
Ao lado de vários secretários, Rollemberg comunicou a assinatura, na manhã desta quinta-feira (20), de um acordo de cooperação técnica entre a Secretaria de Cultura (Secult) e o Instituto Euvaldo Lodi (IEL) para readequar o projeto executivo de reforma do Teatro Nacional Cláudio Santoro, fechado desde fevereiro de 2014 e cujo orçamento já foi revisto duas vezes. O ministro da Culturahavia criticado os altos valores da reforma e afirmou que queria um novo orçamento e um novo projeto executivo. 
 
“Quero uma revisão nossa porque me parece que há um orçamento muito alto”, pontuou Freire. “Vou querer que o Iphan faça uma análise de quanto será a recuperação, restauração e reabertura do teatro. Estamos vivendo num país com dificuldades fiscais, você não tem recursos orçamentários para uma obra desse porte. Muito menos o governo do DF”, completou o ministro.
 
 
A estimativa original de custo para o projeto, em 2014, era de R$ 220 milhões. Segundo Rollemberg, uma das intenções da readequação assinada nesta quinta-feira (20) é justamente diminuir os valores da reforma. “Assinamos o acordo de cooperação para que o arquiteto autor do projeto possa refazê-lo para que seja algo mais pé no chão, de acordo com o momento que nós estamos vivendo hoje no país, que não aceita mais obras muito caras”, declarou. 

Em nota, a Secretaria de Cultura (Secult) informou, ainda, que as negociações para readequar o projeto executivo de reforma do Teatro Nacional começaram desde o ano passado e que a estratégia para reduzir os custo a partir de uma revisão do projeto vem desde 2015. A previsão é que a reforma do Teatro Nacional comece até o fim do ano. Em agosto, será reaberto o foyer da Sala Villa-Lobos, com exposição para homenagear os 80 anos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). 

O Teatro Nacional Cláudio Santoro está fechado desde janeiro de 2014, por recomendação do Ministério Público a partir de uma vistoria do Corpo de Bombeiros. Faltava alvará de funcionamento e habite-se. Mais de 100 problemas foram apontados no laudo.

 

Parceria

No encontro, Rollemberg anunciou também diversas ações em parceria com a Unesco e o Iphan em comemoração aos 30 anos da declaração de Brasília como Patrimônio da Humanidade. As medidas serão gerenciadas pelas secretarias locais e vão desde a reforma de outros espaços culturais, como o Museu de Arte de Brasília (MAB), lançamentos de projetos culturais e revitalização de endereços tradicionais do Plano Piloto, como Setores Comercial Sul (SCS) e de Diversões Sul (SDS), que também voltam a receber atrações culturais gratuitas a partir desta quinta-feira (20).
 
A coordenadora de Cultura da Unesco no Brasil, Patrícia Reis, lembrou da importância dos 30 anos do título de Brasília como Patrimônio da Humanidade para os brasilienses. “Nos sentimos realizados em participar da ampliação da política cultural do DF e de estarmos juntos no anúncio dessas ações. Queremos que o cidadão brasiliense faça parte disso e perceba a riqueza do titulo de Brasília como patrimônio da humanidade”, pontuou.
 
* Estagiário sob supervisão de Mariana Niederauer
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.