Homem que matou pai e madrasta é condenado em São Sebastião

Ele recebeu pena de 46 anos e seis meses de reclusão em regime inicialmente fechado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/04/2017 17:17 / atualizado em 28/04/2017 17:28

Foto: Thiago Soares/CB/D.A Press

Fernando Alves da Silva foi condenado pelo Tribunal do Júri de São Sebastião nessa quinta-feira (27/4) por duplo homícidio triplamente qualificado, ocultação dos cadáveres e estelionato. Com a ajuda da companheira, ele assassinou a golpes de machado o pai e a madrasta. Depois, atirou os corpos dentro de uma cisterna. O caso aconteceu em 14 de agosto de 2015 e ficou conhecido como Crime da cisterna. Ele recebeu pena de 46 anos e seis meses de reclusão em regime inicialmente fechado.
De acordo com a denúncia do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), a motivação do crime seria por desentendimentos familiares. Após matar as vítimas, o casal vendeu os objetos dos parentes como se fossem próprios, razão da condenação por estelionato. 

Segundo o MPDFT, a acusada está presa e será julgada separadamente. Responderá pelos mesmos crimes que Fernando, mas ainda não há data para o julgamento.

Crime da cisterna
Em 14 de agosto de 2015, na chácara onde moravam as vítimas, localizada no Morro da Cruz, em São Sebastião, Fernando e a companheira mataram, a golpes de machado, o pai do acusado, que estava deitado no quarto. Para evitar que o homicídio fosse descoberto, o corpo foi jogado dentro de uma cisterna. Mais tarde, a madastra chegou à casa e também levou machadadas. O cadáver também foi atirado na cisterna da chácara. A dupla fugiu para Luziânia, onde acabou presa.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.