Ex-ministro do TCU Valmir Campelo anuncia que disputará eleições de 2018

Depois de acertar a filiação ao PPS, o ex-ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) e ex-parlamentar Valmir Campelo anuncia que disputará cargo majoritário em 2018. Ele será correligionário de Cristovam Buarque, antigo rival

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/05/2017 06:00 / atualizado em 17/05/2017 19:04

O nebuloso cenário da corrida eleitoral de 2018 ganhou mais um personagem. O ex-presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), ex-senador e ex-deputado federal Valmir Campelo acertou filiação ao PPS e decidiu disputar um cargo majoritário no próximo ano. Ele será colega de partido do senador Cristovam Buarque, o seu último rival na política: em 1994, Campelo disputou com ele o Palácio do Buriti e perdeu as eleições. Apesar de estar há mais de duas décadas longe das urnas, o ex-ministro do TCU acredita que tem potencial para conquistar o governo, o cargo de vice ou uma vaga no Senado. O PPS confirma o acerto, mas diz que não há nenhuma definição sobre candidaturas.
 
 
A filiação de Valmir Campelo ao PPS e seus planos eleitorais para 2018 foram antecipados em entrevista concedida ontem ao CB.Poder, uma parceria do Correio Braziliense com a TV Brasília. Durante o bate-papo, o ex-ministro, que deixou o TCU em 2014, disse que quer ajudar a capital federal “com a sua experiência”. “Estou na cidade há 55 anos e sempre desempenhei um trabalho muito sério. Pautei a minha atuação no TCU na ética e na moralidade, como vinha fazendo em outras funções públicas”, argumentou Campelo.
 
 

Para o ex-ministro do Tribunal de Contas da União, é preciso desvencilhar a imagem do DF da corrupção. “Quero participar das eleições majoritárias em Brasília. A cidade merece respeito”, comentou. “Antes, a corrupção chegava a Brasília por via aérea. Hoje, ela já está enraizada aqui. Todo dia, aparecem novos fatos”, acrescenta.

Apesar das menções a escândalos de corrupção, ele evita criticar integrantes do PPS envolvidos em denúncias. Em março, os distritais Celina Leão e Raimundo Ribeiro, ambos filiados à sigla, viraram réus em uma ação penal relacionada à Operação Drácon. “O partido está esperando uma decisão da Câmara Legislativa e da Justiça para saber qual caminho seguir. Condenar antecipadamente é sempre prejudicial”, justifica. “Quando eu tinha de julgar alguém com (chance de) pena no TCU, eu quase não dormia à noite, sempre seguia todas as etapas para que a pessoa provasse que era honesta e que não errou. Julguei durante mais de 18 anos no TCU e sempre mantive isso. Antecipar julgamentos é prematuro”, acrescenta. “Qual partido não tem alguém comprometido com alguma coisa ou respondendo a inquérito? O bom seria candidatura avulsa, aí, sim qualquer cidadão poderia participar.”

No PPS, o senador Cristovam Buarque é o principal nome e terá prioridade nas definições de candidaturas. Apesar da expectativa em torno de uma disputa de Cristovam à reeleição, Valmir não descarta fazer uma dobradinha com o correligionário para o Senado. “Não é impossível nós dois concorrermos ao cargo de senador, isso pode ocorrer, já que, em 2018, haverá duas vagas”, justificou. Mas uma candidatura ao Governo do Distrito Federal não está descartada, apesar de Campelo sofrer forte pressão familiar para não entrar na corrida pelo Palácio do Buriti.

O ex-ministro diz que não há nenhum desconforto em dividir o partido com o rival de sua última eleição. Pelo contrário, segundo Campelo, ele e Cristovam têm uma ótima relação. “Nem na campanha fomos inimigos. Quem participou sabe que foi uma disputa amena, sem agressões. A minha esposa foi professora das filhas dele, sempre houve um grande respeito mútuo. Quando perdi a eleição no segundo turno, muitos queriam que eu pedisse uma recontagem de votos, mas reconheci o resultado e telefonei para o Cristovam, parabenizando-o pela vitória.”

Valmir Campelo evita vinculações a Joaquim Roriz, apesar de o ex-governador ter subido em seu palanque, em 1994. “Quando Roriz chegou aqui, eu tinha sido administrador de três cidades por 16 anos seguidos, tinha sido deputado federal mais votado, não posso ser considerado rorizista. Desde 1994, só estive com ele duas vezes em posses no TCU. Respeito o ex-governador, mas não tivemos mais contato”, esclareceu.

O presidente regional do PPS, Chico Andrade, diz que a filiação de Valmir Campelo será oficializada até o próximo mês. “Precisamos de um nome novo para a cidade, não necessariamente uma cara nova, não precisa ser um garotão ou garotona, mas alguém distante dos rotineiros escândalos. O PPS é instrumento de alternativa política para a cidade e a vinda do ex-senador agrega esse valor. Por sua postura, experiência e nome limpo, ele tem espaço garantido”, comentou.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
carlos
carlos - 17 de Maio às 09:36
NÃO SE ELEGE NEM DEPUTADO MAIS!
 
carlos
carlos - 17 de Maio às 09:36
ISSO É QUE É FOME PELO PODER! APOSENTA, BOTA PIJAMA E VAI VIAJAR CEARENSE GANANSIOSO! FOI INDICADO PELO RORIZ PARA O TCU AGORA FALA QUE NÃO É RORIZISTA! RIDICULO ISSO!
 
Alvaro
Alvaro - 17 de Maio às 09:24
Agora é hora de votar em uma nova geração"! Chega!