SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Prata da Casa: conheça Pedro Quadro, o rapaz que vive para homenagear o pai

Aos 20 anos, ele compõe, escreve e canta em homenagem ao pai, que tinha um sonho compartilhado em família: fazer música com o coração

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/05/2017 09:29 / atualizado em 19/05/2017 10:06

Carlos Vieira/CB/D.A Press
 
Para o talento, definitivamente, não há idade. Aos 20 anos, um rapaz, morador do Cruzeiro, já produziu dois álbuns de Música Popular Brasilieira (MPB) que são sucesso no meio cultural do Distrito Federal.  Amargo e Meu Vênus é em Câncer são as duas obras primas de Pedro Quadros, filho de César Dill, ex-componente da banda Casa 7. César faleceu no ano passado e, apesar da dor, o sonho do patriarca foi seguido à risca pela prole: fazer música.


Leia mais notícias em Cidades

Pedro começou a se envolver entre notas e melodias há apenas três anos. Apaixonado por misticismo e astrologia, usa os dois temas como inspiração na produção das canções. O seu mapa é uma delas e faz parte do segundo álbum do rapaz.
 
Quadros não trabalha sozinho. Luhana Koehler, cunha de César Dill e tia de Pedro, também se juntou ao artista na empreitada. “Sempre foi o sonho dele ter uma banda, um projeto envolvendo a música. Tudo começou por ele. Eu só comecei a tocar por causa dele”, explica Luhana. Aos 28 anos, a musicista se aventura pela percussão e na gaita. “Meu pai sempre quis ter um projeto de composição própria e tudo mais. E, assim que ele faleceu, a gente empolgou de fazer, tanto que no disco físico, atrás, tem escrito ‘para meu pai, César Dill’”, completa Pedro Quadros.
 
Questionado sobre quais músicas seriam em homenagem ao pai, Pedro enrubesce. De semblante tímido, responde somente com uma palavra: “Amargo”. Esse, de fato, é o gosto que a saudade tem para Pedro e a família. Mas, se por um lado a ausência dói, por outro ela abre espaço para a inspiração. Já na reta final da entrevista, o rapaz compartilha um videoclipe onde comprova: nem só de luto vive o homem. “Por que não vem comigo pra eu te mostrar / que a vida pode ser, sim, uma notícia boa?”, cantarola o rapaz, que, agora, dedica a vida ao que ama.
 
 
 
*Estagiária sob supervisão de Anderson Costolli
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.