Cada vez mais idosos morrem atropelados em acidentes de trânsito no DF

Dos 132 pedestres mortos na capital no ano passado, 35 tinham 60 anos ou mais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/06/2017 08:00

Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press

Os idosos são o principal alvo do trânsito no Distrito Federal. É o que demonstra os dados do Departamento de Trânsito (Detran-DF). Dos 132 pedestres mortos na capital no ano passado,  35 tinham 60 anos ou mais. Isso representa 26,5% dos casos. Ontem, o catador de recicláveis Paulo de Oliveira reforçou as estatísticas locais. Ele estava em uma via de Taguatinga, carregando latinhas, quando foi atingindo por uma motocicleta. Não resistiu aos ferimentos e morreu na hora. Ele tinha 90 anos. Em outro ponto da mesma região, um senhor de 84 anos também foi atropelado. O sinal estava aberto para o fluxo de veículos, mas, mesmo assim, a vítima atravessou a avenida. Ele foi levado pelos bombeiros para o Hospital Regional de Taguatinga (HRT) com escoriações no ombro.

O levantamento do Detran-DF também mostra que, em 2016, as mortes por atropelamento representaram 33,6% do total das registradas em 366 acidentes de trânsito no DF. Em 2015, foram 112 vítimas. Com relação às faixas de pedestre, em todo o ano passado, ocorreram cinco atropelamentos com mortes na capital do país. De janeiro a abril de 2017, o órgão informou que, até então, ninguém perdeu a via atravessando os equipamentos de trânsito. Fora deles, 20 pessoas morreram este ano.

O atropelamento que resultou na morte do catador de recicláveis ocorreu por volta das 8h, na QI 25, próximo ao Sesi, em Taguatinga Norte. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, uma motocicleta CG Titan preta atropelou a vítima, que catava algumas latinhas na beira da via. O condutor da moto, João Gabriel Castelo Sobrinho, 27 anos, e uma passageira, que estava na garupa, foram encaminhados para o Hospital Regional de Taguatinga (HRT) com escoriações. Paulo morreu antes mesmo da chegada dos socorristas. No local, familiares ficaram desesperados com a situação e não quiseram comentar sobre o assunto. A via ficou interditada durante toda a manhã para realização da perícia da Polícia Civil.

Um outro acidente também foi registrado com um idoso. Em um dos cruzamentos da Comercial Norte, no centro de Taguatinga, um homem de 84 anos foi atropelado por um Peugeot 208 vermelho. Ele foi socorrido e transportado pela Corpo de Bombeiros, para o HRT, com dores no ombro, escoriações, consciente e orientado. Na localidade, comerciantes relataram que são constantes as ocorrências com pedestres. “Existe uma desatenção dos pedestres. O que acontece é que a via abre em um sentido para os carros e, mesmo com o sinal fechado, as pessoas insistem em atravessar. Eu mesmo já tive que reduzir a velocidade ou até parar o veículo para não acertar alguém”, relata a vendedora Jaqueline Alves, 32 anos.


Flagrante


Enquanto esteve no cruzamento, o Correio flagrou diversos pedestres atravessando na faixa ou fora dela com o fluxo liberado para os veículos. O funcionário público aposentado Orlando Moraes, 58 passa constantemente pelo local e relata ter cuidado ao atravessar a faixa. “Eu tenho toda a atenção, mas é normal ver algumas pessoas atravessando com os carros já em cima. Acredito que seja necessário um engenheiro de trânsito averiguar a situação para ver o que pode ser melhorado para o pedestre.”

O presidente da Associação Brasileira de Educação no Trânsito (Abetran), George Marques, justifica a ocorrência de acidentes envolvendo idosos à falta de atenção dos pedestres. “Tudo se resume à ausência de educação no trânsito. As pessoas com mais de 60 anos já tem dificuldade para se locomover. O que acontece é uma falta de respeito ao trânsito ligado a esse fator físico. Há também um registro maior do número de idosos no país, consequentemente também aumentam os acidentes envolvendo esse público”, destacou. Para ele, é essencial o desenvolvimento de campanhas educativas.

O diretor-geral do Detran-DF, Silvain Fonseca, ressaltou que, o órgão investe em campanhas educativas para evitar novos acidentes com pedestres. “Ainda é possível ver pedestres desatentos. Hoje, há não somente o registro de motoristas teclando ao dirigir, como também de pedestre atravessando ao celular. Eles se esquecem de olhar a via e ficam totalmente desatento ao fluxo de veículos. A nossa intenção é avançar com a conscientização de todos no trânsito para evitar acidentes”, destacou. Para isso, a instituição lançará, até o fim deste mês, um curso para pedestres, que abordará o uso de celular, fones de ouvido e consumo de álcool, entre outros temas. “É um curso inédito, que ajudará na diminuição das estatísticas de atropelados em todo o DF”.

Com relação ao cruzamento na Comercial Norte, o diretor detalhou que a situação de desatenção de pedestre já foi observada pelo órgão. “Constantemente temos colocado viatura ali nos horários de pico para amenizar a situação.” De acordo com Fonseca, a região apresentou uma melhora ao longo dos anos. “Era um local com histórico violento, com ocorrências constantes de atropelamentos. Houve um trabalho de conscientização e, atualmente, também revitalizamos a, faixas de pedestres. O órgão monitora a situação e vem trabalhando para melhorias.”

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.