Publicidade

Estado de Minas

Corpo de jovem encontrada no Lago Paranoá será sepultado na Bahia

Enterro de Jéssica Tavares dos Santos, 22 anos, acontecerá no fim da tarde deste domingo (18/6). Ontem, familiares e amigos se despediram em uma cerimônia na casa da jovem, em Ceilândia


postado em 18/06/2017 14:20 / atualizado em 18/06/2017 14:52

(foto: Arquivo pessoal)
(foto: Arquivo pessoal)

A jovem encontrada morta no Lago Paranoá na manhã desse sábado será enterrada em Cotegipe (BA), cidade localizada a 830km de Salvador, na Bahia. Neste domingo (18/6), pouco menos de 12 horas após localizarem o corpo de Jéssica Tavares dos Santos, 22 anos, familiares e amigos ainda abalados se despediram da garota, em uma cerimônia na casa dela, em Ceilândia. O corpo seguiu, ainda na madrugada, para a cidade baiana, onde grande parte da família da vítima reside. 

Leia mais notícias em Cidades

Por meio da Divisão de Comunicação, a Polícia Civil detalhou que ainda não há novidades sobre o caso. Inicialmente, a morte de Jéssica seria investigada pela 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul), porém, o assunto deve ser transferido para a 10ª DP (Lago Sul). O motivo é que a unidade policial do Lago já estava investigando o desaparecimento da jovem. Isso porque, quando familiares notaram o sumiço do garota, registraram a ocorrência no local. As investigações devem ser conduzidas ao longo da semana.

Desaparecimento

O corpo de Jéssica foi encontrado por volta das 6h de sábado (17/6), em frente aos restaurantes e bares do Centro de Lazer Beira Lago, próximo à Ponte JK. Ela estava sumida desde a noite de quinta-feira (15/6). Segundo testemunhas, a jovem tinha ido a um encontro de jovens na igreja Sara Nossa Terra, do qual é uma das líderes, e convidado uma colega para ir até a orla do Lago, espairecer. Como a amiga não quis acompanhá-la, Jéssica teria ido sozinha. O Corpo de Bombeiros começou as buscas já na sexta-feira. A vitima foi encontrada a uma profundidade de 12m, nas primeiras horas da manhã de sábado.
 
(foto: Hélio Montferre/ Esp.CB/ D.A Press)
(foto: Hélio Montferre/ Esp.CB/ D.A Press)

Na internet, colegas e parentes da vitima começaram a compartilhar informações sobre o sumiço de Jéssica já na manhã de sexta. Alguns deles chegaram a ir até a orla em busca de informações. Durante as buscas, conseguiram as câmeras de segurança de um dos comércios da região e puderam constatar, nas imagens, que a garota chegou sozinha ao local. O carro dela estava estacionado em frente a um restaurante. A partir daí, os bombeiros foram acionados para procurá-la pelo espelho d’água.

Vítima

Jéssica cursou alguns semestres de música na Universidade de Brasília (UnB), mas trancou os estudos temporariamente. Ela era apaixonada por saxofone, segundo os familiares, e estava envolvida com projetos relacionados ao grupo de jovens da Igreja Sara Nossa Terra, no Sudoeste. A prima relata que Jéssica, que morava em Ceilândia Norte, tinha um bom relacionamento com a família. "Ela estava muito feliz pelo fato de a irmã ter virado mãe. O sobrinho de Jéssica nasceu não tem nem três meses. Estamos muito abalados com tudo isso", disse Silvia dos Santos, prima da vítima.

Ao Correio, o líder da Igreja Sara Nossa Terra, bispo Robson Rodovalho, lamentou a morte da jovem. "É um sentimento muito triste para todos da igreja. Mesmo com o pouco tempo de convivência conosco, Jéssica era tida como uma menina muito querida e amada por todos. Até agora, estamos sem entender o que aconteceu", resumiu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade