Detran lança projeto para melhorar a qualidade de formação do condutor

O Projeto de Reformulação Pedagógica da Formação Inicial de Condutores tem por objetivo instruir condutores sobre a responsabilidade para a segurança no trânsito, bem como aumentar a porcentagem de aprovação de candidatos em primeira habilitação, até 2019

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/07/2017 06:30 / atualizado em 14/07/2017 11:00

Arthur Menescal/Esp. CB/D.A Press

A educação no trânsito é uma preocupação de todos que prezam pela cidadania no espaço de circulação pública. A fim de melhorar a fluidez nas rodovias, e também preocupados com a boa formação do condutor, o Detran-DF lançou, nessa quarta-feira (13/7), o projeto de Reformulação Pedagógica da Formação Inicial de Condutores.
 
 
A novidade visa reformular a proposta pedagógica na formação inicial de condutores, de forma a promover a capacitação de, inicialmente, 282 instrutores de Centro de Formação de Condutores (CFC) e, consequentemente, aumentar a taxa de aprovação de candidatos que desejam tirar habilitação.

A ideia surgiu a partir da constatação do aumento de acidentes e infrações no trânsito, além do alto índice de reprovação em primeira habilitação – 33% não passam no exame teórico e 41% no exame prático –, valor abaixo do desejável. 

Além de reformular a proposta pedagógica, o Detran também propõe a criação de um novo manual de obtenção da CNH e de um novo banco de provas para candidatos à primeira habilitação. O órgão também vai capacitar instrutores de autoescolas por meio de cursos gratuitos, além de visitar os CFCs.

Com essas mudanças, o departamento espera conscientizar condutores sobre a responsabilidade em tornar o trânsito seguro. A melhoria na qualidade de ensino ofertado pelos CFCs, o aumento do índice de aprovação e a redução de acidentes e multas são também algumas das metas que o Detran pretende alcançar com o Projeto de Reformulação Pedagógica da Formação Inicial de Condutores. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.