Motorista da Caixa morre em delegacia de Sobradinho e revolta família

Vítima trabalhava na CEF há 28 anos e era tido como uma pessoa boa por todos os colegas de trabalho e familiares

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 14/07/2017 23:36 / atualizado em 15/07/2017 17:18

Arquivo Pessoal
 Um homem de 48 anos morreu, nesta sexta-feira (14/7), após dar entrada na 13ª Delegacia de Polícia (Sobradinho). A vítima era o motorista da Caixa Econômica Federal (CEF), Luis Cláudio Rodrigues. Ele foi detido após dirigir embriagado e colidir o veículo que conduzia contra o carro de um policial militar, por volta das 15h. A família foi chamada e só após o pagamento da fiança, no valor de R$ 1.200, o cunhado foi autorizado a buscar o motorista na cela, quando o encontrou já sem vida. 
 

Marcos Eustáquio, 48, autônomo e cunhado de Luis Cláudio, conta que a família chegou à unidade policial por volta das 16h. Segundo ele, apesar de a vítima não ter passagem pela polícia, ou apresentar qualquer sinal de periculosidade, nenhum parente recebeu autorização do delegado para vê-lo enquanto detido. "Ele tem 1,67m, é franzino. Não apresenta perigo nenhum. O Luis Cláudio se enforcou com a própria camisa. Geralmente a polícia não deixa isso acontecer. Ele estava sob a tutela do Estado. Geralmente o policial é tão safo que, quando prende alguém, retira qualquer coisa que apresente risco: cadarço, cinto, cordões... Não fizeram isso", disse.

Luis Cláudio era motorista da Caixa Econômica Federal (CEF) há 28 anos. Atualmente, cuidava da presidência do banco. "Ele era uma pessoa muito querida. Todo mundo está muito desacreditado do que aconteceu. É muito triste", lamentou o cunhado. Não tinha quadro de depressão e comemorava neste sábado (15/7) o seu aniversário de 49 anos, onde festejaria com uma feijoada entre amigos. 

Primo de Luis e advogado da família, Paulo César Machado Feitoza diz que, em um primeiro momento, a família pretende processar o Estado, uma vez que Luis Cláudio estava sob a tutela do governo. "A minha preocupação é que a perícia é da própria instituição da Polícia Civil do DF, que está no olho do furacão aqui. Outra coisa que me preocupa é o descaso. O fato de o delegado ter saído de tarde e só voltar por volta das 23h. Isso é preocupante", diz Machado.
 
Luís Nova/Esp.CB/DA Press
 
 
Segundo Robert Araújo Menezes, delegado plantonista da 13ª DP, o corpo foi encontrado primeiramente pelo escrivão da unidade, que o chamou em seguida. "A morte aconteceu entre 18h e 18h40, quando terminou a situação de flagrante. Quem viu ele morto primeiro foi o escrivão, que me chamou. Logo depois chamei o cunhado da vítima. Infelizmente uma pessoa não precisa de uma forca para se enforcar", disse. 
 
Prima da vítima, Silvana Machado, 52, cobra justiça. Segundo ela, a polícia foi negligente. "No momento da prisão só tinha ele detido, não tinha mais ninguém na delegacia. E tinha seis agentes da polícia e ninguém ficou vigiando ele", pontuou.
  
Do lado de fora da delegacia, cerca de 20 pessoas, entre amigos, familiares e colegas de trabalho estavam estarrecidos. Todos disseram que a vítma não tinha problemas psiquíatricos, nem fazia uso de drogas.  Separado há duas décadas, Luis Cláudio deixa um filho, de 29 anos, e dois netos, um de 5 e outro de 9 anos de idade.
 
Segundo o delegado plantonista, um inquérito será aberto para investigar o caso.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
João
João - 16 de Julho às 14:31
O cara se matou, fazer o quê? Se deixar com a camisa pode acontecer isso, se deixar sem os direitos humanos dizem que é tortura por deixar passar frio. Infelizmente não dá pra ficar um agente 24h vigiando preso, nas delegacias nem agente de custódia existe mais!
 
ercilia
ercilia - 15 de Julho às 13:32
Se ele fosse revistado teria gente falando que estariam o tratando como marginal, se fosse solto teria gente falando que a justiça é falha,...e se ele tivesse continuado a dirigir e matado alguém inocente? A prisão é prevista. Ninguém sabe o que aconteceu, deveriam esperar o laudo antes de falar em processar o Estado. Muitas vezes ele é culpado sim. Falaram que ele não tinha depressão e depois cobraram porque não tinha ninguém vigiando. E sobre a depressão, as pessoas possuem uma péssima visão de como é a doença, não é porque o sujeito não está em tratamento ou aparentando estar alegre que não possa ter depressão.
 
Vaneide
Vaneide - 15 de Julho às 11:13
Será que ele próprio se matou? tem que ser investigado, muito estranho.
 
biomar
biomar - 15 de Julho às 11:11
Os Policiais Civis são guerreiros...e afirmo: ali na 13a. DP NÃO TEM POLICIAIS vagabundos!!!!
 
ailton
ailton - 15 de Julho às 09:44
Um cidadão trabalhador e honesto, preso por estar embriagado? Lei Seca tomar duas cervejas estar embriagado? a Lei que tem mas rigor do que outros crimes, ia acabar com a vida dele, ia perder a habilitação e a vergonha de ser preso. Parabéns Delegado e todos envolvidos na prisão do rapaz.
 
Andre
Andre - 15 de Julho às 06:15
Os plantonistas não tiveram culpa, já que, em razão do frio, não poderiam deixar o preso sem roupa. Além do mais, não se pode querer que policiais fiquem plantados diante da cela para evitar esse tipo de situação.
 
Adeilsa
Adeilsa - 15 de Julho às 00:20
Com certeza os policias deram um fim nele.