Justiça encaminha processo de sequestradora do Conic para o DF

Juiz criminal de Planaltina de Goiás entende que, apesar de a sequestradora ter sido presa no estado vizinho, o crime ocorreu na capital federal

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/07/2017 15:29 / atualizado em 17/07/2017 15:37

Luis Nova/Esp. CB/D.A Press
O processo de Cevilha Moreira dos Santos, acusada de raptar um bebê no Conic, no fim de junho, será enviado para o Distrito Federal. De acordo com o juiz criminal de Planaltina de Goiás, apesar de a sequestradora ter sido presa no estado vizinho, o crime ocorreu na capital federal.

 

O advogado de Cevilha, Gilson dos Santos, o processo chega ao DF, no máximo, até quinta-feira. Todo o trámite burocrático deve ocorrer até a próxima semana. "Após a publicação, deve passar pelo Ministério Público, e o juiz daqui precisa alocar uma vaga para ela na Colmeia. Daí, deve montar uma escolta, que vai sair de Brasília até a Cadeia Pública de Planaltina de Goiás, para fazer toda essa transferência", destaca.

 

Cevilha foi autuada por uso de documento falso e subtração de incapaz, crimes que podem render até 12 anos de reclusão. Mas, segundo Gilson dos Santos, a acusação sobre a documentação não deve ser concluída. "Ela não chegou a usar, apenas portou. Isso vai reduzir a pena. Quando o processo chegar aqui, vou pedir, novamente, a liberdade dela", adianta.

 

O sequestro

 

Cevilha Moreira sequestrou uma criança de 3 meses em uma clínica de exames admissionais, no Conic, em 29 de junho. A mãe da criança, Arlete Bastos da Silva, deixou a filha aos cuidados da acusada enquanto era atendida e contou à polícia que, quando voltou para buscar a menina, não viu mais a mulher nem a criança.

 

A sequestradora foi localizada por policiais militares de Goiás em Planaltina (GO), cidade distante 60km do Plano Piloto, e presa sete horas após o rapto. Os policiais também encontraram com Cevilha uma Certidão de Nascimento, na qual ela registrou a menina como filha. O documento, segundo a polícia, reforça a premeditação do crime.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.