Sem água: rompimento de adutora causa transtorno a brasilienses

Asa Sul, Lago Sul, Jardim Botânico, Setor Hoteleiro, Jardins Mangueiral, Paranoá, Itapoã, Lago Norte, Asa Norte, Taquari, Noroeste e Vila Planalto sofreram com a falta de água

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/08/2017 06:00 / atualizado em 03/08/2017 00:43

Passar dificuldades em dias de racionamento faz parte da rotina da população do Distrito Federal desde janeiro, quando a Barragem do Descoberto alcançou o menor índice da história. Mas, nesta semana, Vera Tânia, 42 anos, funcionária de uma lavanderia da Asa Sul, foi pega de surpresa. Desde terça-feira, ela enfrenta problemas para manter a rotina de trabalho sem prejudicar os clientes. Tânia e outros comerciantes sofrem as consequências de um vazamento na adutora que liga o reservatório de Santa Maria à Estação de Tratamento de Água de Brasília. “A caixa d´água costuma salvar o trabalho. O meu medo é ela secar, pois teríamos de ligar para a clientela e tentar adiar o prazo para a entrega dos pedidos”, afirmou.

 
 
Não somente a Asa Sul, onde trabalha Tânia, ficou prejudicada. Lago Sul, Jardim Botânico, Setor Hoteleiro, Jardins Mangueiral, Paranoá, Itapoã, Lago Norte, Asa Norte, Taquari, Noroeste e Vila Planalto também sofreram com a falta de água. As regiões estariam no rodízio de racionamento previsto para esta semana, mas para não prejudicar ainda mais os moradores e os comerciantes, a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) determinou que, até domingo, não haverá racionamento nesses locais. Eles serão incluídos no próximo rodízio, o da próxima semana, quando, segundo o órgão, tudo voltará ao normal.

A Asa Norte, que estava sem abastecimento desde as 10h de ontem, terá o fornecimento normalizado hoje, dia em que também entraria no ciclo de racionamento. Porém, a Caesb o reprogramou para a próxima quarta-feira. Loren Ferreira Botelho, 19 anos, trabalha em uma pet shop na região. Diferentemente de Tânia, ela não tem caixa d´água para ajudar em dias assim; por isso a preocupação foi ainda maior. Para se virar na quarta-feira sem água, ela encheu galões. “Somente assim consegui dar banho nos animais. Aconteceu de termos de ligar para os clientes e cancelar a vinda dos pets”, contou.

Intervenções

O presidente da Caesb, Maurício Luduvice, esclareceu que a medida foi tomada para recuperar os reservatórios dos sistemas prejudicados pelo vazamento registrado na madrugada de terça-feira. “Foi uma manobra operacional para restabelecer e gerar maior segurança para o sistema”, explicou. Apesar de sofrer ajustes regularmente, a adutora rompida é de aço e foi construída na década de 1970. A estrutura costuma sofrer complicações nesta época do ano, quando há oscilações de temperatura no Distrito Federal e, consequentemente, dilatação do material. “Tivemos de fazer intervenções nas três juntas da adutora. Em outros anos, apenas apertávamos, mas, como agora a dilatação foi maior, fizemos adaptações maiores”, disse.



Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.