Empréstimo consignado é opção para quem deseja pagar juros mais baixos

Para isso, o consumidor deve ficar atento ao valor da prestação, que não pode ultrapassar os 30% do salário

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/08/2017 06:00 / atualizado em 07/08/2017 07:58

Arte/CB/DA Press

“Se eu não entrasse na Justiça e ganhasse a causa, pediria exoneração e começaria do zero”. É assim que Amanda relembra a enorme dívida, iniciada com um crédito consignado, que acabou comprometendo toda a renda mensal. O motivo? O banco passou a descontar mais de 30% da remuneração líquida da cliente para pagamento do empréstimo, o que é proibido por lei. Por receio de serem identificados e sofrerem retaliações, os consumidores que conversaram com o Correio serão identificados por nomes fictícios.

 

Leia mais notícias em Cidades


Em um quadro de crise econômica, muitas pessoas optam por resolver problemas financeiros por meio de empréstimos bancários. “Na hora do aperto, a aquisição de crédito consignado é uma proposta tentadora, uma vez que o desconto é realizado diretamente na folha de pagamento. Assim, a instituição financeira tem a garantia do recebimento do valor e cobra taxa de juros menor”, explica Emílison Alencar, advogado especialista em direito bancário e do consumidor.

Essa forma de empréstimo é comumente disponibilizada para servidores públicos, pessoas com carteira assinada e aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), pois contam com estabilidade financeira. Portanto, em razão dos juros, o crédito consignado é mais vantajoso ao cliente se comparado com outros tipos. O consumidor, no entanto, deve ficar atento, uma vez que essa modalidade não pode comprometer mais de 30% da renda mensal.

Ao passar por necessidades, Pedro assume que não mediu esforços para tentar regularizar a situação e recorreu ao consignado. “O banco afirmou que eu tinha condições de pagar a futura dívida, mas não me alertou sobre a margem de 30%”, conta o servidor público. “Após um período, a instituição financeira começou a debitar uma parcela muito maior que o permitido pela lei. No desespero, tentei renegociar a dívida, mas eles me ofereceram um refinanciamento na conta-corrente”, detalha. Pedro aceitou a oferta para tentar superar a crise, mas a questão se tornou um pesadelo. “Com mais de 70% do meu salário comprometido, eu tomei uma atitude drástica e passei a adiantar o meu pagamento”, relata o consumidor.

O advogado Emílison Alencar alerta: “Após as parcelas dos empréstimos consignados comprometerem mais de 30% do salário líquido do servidor, automaticamente a parcela que era averbada no contracheque passa a ser descontada diretamente na conta-corrente”. Atualmente, não há legislação determinando o valor das parcelas debitadas na conta-corrente. No entanto, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) adotou o entendimento de que a limitação também deve ser de 30%. Segundo Alencar, quando uma pessoa se encontra superendividada, procura o banco para tentar sanar os débitos em aberto. “A instituição costuma oferecer um refinanciamento de toda a dívida com a proposta de comprometer, no máximo, 60% do salário”, diz.

O que parece uma solução, contudo, se torna uma bola de neve. A dívida inicial, que já tinha juros embutidos — apesar de baixos —, é refinanciada com novos encargos. Por isso, alguns devedores acabam por recorrer à Justiça. Amanda, por exemplo, só encontrou uma solução depois de aberto o processo. “Tentei renegociar minha dívida, mas o banco simplesmente fechou as portas para mim e disse que não havia mais nada para oferecer.”

Com quase todo o salário mensal comprometido, ela quase optou por uma medida drástica: pedir exoneração, sair do cargo público e recomeçar a carreira em uma empresa privada. Ao entrar com o processo, no entanto, Amanda obteve decisão judicial favorável e o percentual mensal de cobrança foi reduzido. Assim, a prestação voltou a ser de 30% do salário e o prazo de pagamento foi estendido, a fim de garantir a ela a dignidade de ter dinheiro para suprir as necessidades básicas, um dos fundamentos da Constituição.

* Estagiária sob supervisão de Mariana Niederauer

“Após um período, a instituição financeira começou a debitar uma parcela muito maior que o permitido pela lei. No desespero, tentei renegociar a dívida, mas eles me ofereceram um refinanciamento na conta-corrente”
Pedro (nome fictício), servidor público

 

» NET
COBRANÇA INDEVIDA

 

» JADIR GOMES RABELO
ASA NORTE

O servidor público Jadir Rabelo, 58 anos, relata que cancelou a assinatura de TV a cabo da NET em 7 de junho. Feito o pedido do fim do serviço, a empresa marcou três vezes de ir recolher os equipamentos, mas nunca apareceu. “Ainda recebi a fatura de um serviço que cancelei e não utilizo há mais de um mês”, afirma Jadir.

Resposta da empresa
A NET informou que entrou em contato com o cliente e regularizou a situação. “A operadora permanece à disposição para quaisquer esclarecimentos”, completou, em nota.

Comentário do consumidor
De fato, a empresa entrou em contato e recolheu o equipamento. Quanto à fatura, a NET disse que cancelaria e mandaria a fatura certa, que foi paga. No entanto, me enviaram uma outra fatura referente à primeira semana de julho, acrescida de juros. Eu não aceito pagar por um serviço de que não usufruí.

» DELL
ASSISTÊNCIA TÉCNICA

» SERGIO BALABAN
ASA SUL

O servidor público Sérgio Balabam, 42 anos, relata que o monitor do notebook Dell dele parou de funcionar. O leitor explica que necessita de um técnico para avaliar o computador presencialmente e fazer um orçamento. A fim de encontrar uma solução para o problema (uma vez que todo o trabalho de Sérgio se encontra no notebook), o servidor público diz ter passado 8 horas tentando entrar em contato com o SAC da Dell. “Os atendentes ficavam transferindo a ligação e eu tive de explicar a situação para cada pessoa até cair a chamada”, lamenta. Após muitas tentativas, Sérgio conseguiu falar com alguém especializado. “O técnico queria fazer o diagnóstico pela internet, mas não dava, porque o computador não está funcionando. Então, por telefone, ele concluiu que o problema era com a placa-mãe”, relata. O técnico disse ainda que, antes de ir à casa do cliente para fazer o atendimento, o mesmo deveria comprar a placa adiantado, no valor de R$ 1.100, e, caso o problema fosse outro, não poderia ser ressarcido pela compra do produto. “O que mais me indigna é que o técnico nem sequer foi ver meu notebook”, desabafa.

Resposta da empresa

A Dell informou que o cliente está ciente de que o equipamento se encontra fora do período de garantia e, portanto, é necessária a aquisição do serviço de reparo para a solução do caso. “A empresa reitera que o valor do reparo ofertado ao cliente contempla o restabelecimento da funcionalidade do produto e inclui a troca de quaisquer peças que sejam necessárias para garantir a mesma. A Dell ressalta que preza pela qualidade do atendimento prestado aos seus clientes e visa sempre a sua melhoria a fim de que os mesmos permaneçam constantemente satisfeitos”, detalhou, em nota.

Comentário do consumidor
Eles dizem que prezam pela qualidade do atendimento, mas minha experiência demonstra o contrário. Fiquei mais de 26 horas reclamando e não tive a resposta que a equipe do Correio obteve com tanta facilidade. Eu sei que o prazo de garantia acabou, mas os preços que a empresa impõe para o conserto não são razoáveis. É uma estratégia para que o consumidor compre outro aparelho.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.