Iniciativas de empreendedores impulsionam educação a distância

Empresários e estudantes são exemplos de que, além de contribuírem para tornar mais dinâmico o processo de aprendizagem, são uma boa oportunidade de empreendedorismo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/08/2017 06:00 / atualizado em 10/08/2017 15:15

Luis Nova/Esp. CB/D.A Press
No mundo virtual, é possível educar ou aprender de qualquer lugar. Basta ter acesso à internet pelo computador ou na palma das mãos, com os smartphones. Empresários e estudantes são exemplos de que, além de contribuírem para tornar mais dinâmico o processo de aprendizagem, são uma boa oportunidade de empreendedorismo. Separados pela distância de um clique, professor e alunos trocam conhecimentos e, com disciplina, conseguem alcançar objetivos que antes pareciam improváveis.
 
 
O guitarrista da banda Angra, Marcelo Barbosa, 42 anos, atua como professor há mais de 20 anos. Empresário, mantém o instituto de música GTR e, desde dezembro de 2016, vende cursos virtuais. Hoje, tem mais de 700 alunos matriculados na internet, inclusive de outros países. “Agora, eu devo filmar em inglês ou colocar legendas nas aulas”, ressalta.“Você pode acessar o curso on-line de qualquer lugar em que esteja e qualquer tempo livre é um tempo que pode ser investido em conhecimento”, argumenta.

Eduardo Duarte/Divulgação
 
O servidor do Poder Judiciário Federal Flávio Lopes Santana, 46, aprendeu a tocar violão e guitarra aos 12 anos e confessa que, no início, teve dificuldades. “À época, era muito difícil encontrar bom material de estudo e até professores. O pessoal se virava aprendendo o que podia sozinho, vendo outros tocarem, ouvindo discos e fitas cassete”, recorda. Com o tempo, Flávio conseguiu frequentar aulas presenciais. Mas logo a rotina inviabilizou a continuidade do curso. Agora, ele estuda em casa e aposta na dedicação para assimilar o conteúdo. Há quatro anos, Flávio integra a banda roqueira Red Mustang e pratica os ensinamentos das aulas virtuais.

Direto de Paris

Nos tempos de variados recursos tecnológicos, até o aplicativo de conversas on-line WhatsApp vira plataforma de aprendizado. Professor de música, Bernardo Luiz Ferreira, 36, nascido em Recife, mora em Paris e, de lá, dá aulas de sanfona para brasileiros. Ele usa o aplicativo para enviar aos alunos vídeos com as lições. A correção dos exercícios é feita ao assistir os vídeos que os alunos gravam com a performance.

As aulas do Acordeón ZapZap começaram em janeiro e contam, hoje, com 250 alunos. Desde o início do projeto, cerca de 300 pessoas aprenderam o básico da sanfona pelo programa de ensino. Bernardo desenvolveu a própria didática, a partir de pesquisas de métodos franceses. “Eu desenvolvi uma tablatura (escrita musical) intuitiva, porque não é todo mundo que lê partituras (peças musicais)”, explica.

Segundo ele, não foi necessário investimento para conquistar os primeiros alunos. O prestígio teve início com tutoriais gratuitos na internet, divulgados em um canal no YouTube. “Abri 50 vagas gratuitas. Foi uma explosão. Em 24 horas, havia 300 pessoas inscritas. Em menos de duas semanas, eu tinha 500 pessoas nas aulas, que duraram três meses. Depois disso, eu amadureci a ferramenta para ensinar e corrigir os alunos”, conta.

Professor dos novos tempos

O publicitário Bruno Ávila, 37 anos, dirige a Ávila Ead, empresa com treinamentos sobre marketing, comunicação e empreendedorismo. Conectado à internet, o educador ministrou aulas para mais de 20 mil alunos. No projeto "Viver de curso", ele ensina como é possível montar um negócio virtual para dar aulas e ganhar dinheiro sem sair de casa. No canal do YouTube, tem mais de 46 mil seguidores e outras 3,3 milhões de visualizações.

 

A aproximação com a internet começou ainda na adolescência, com a parceria do irmão. Juntos, eles montaram um computador comprado com cada centavo que conseguiam economizar. Também abriram um negócio e, em 2002, Bruno criou um blog para falar sobre criação de páginas na web, enquanto cursava a faculdade de publicidade. "O meu blog já era diferente. Enquanto todo mundo falava de tecnologia ou só de programação, eu falava de comunicação voltada para a criação de sites, e isso começou a ter uma proporção muito grande. Eu comecei a me tornar conhecido no Brasil inteiro e sr convidado para palestras", ressalta. 

 

Em 2005, lançou o primeiro curso na internet e recebeu 200 matrículas no primeiro dia. Dois anos depois, deixou de trabalhar com a criação de sites para se dedicar exclusivamente às aulas virtuais. "As pessoas queriam aquele conhecimento para progredir na profissão delas e estavam dispostas a pagar por isso. Eu fiquei impressionado. Em um dia eu ganhei muito mais do que eu ganhava em um mês", revela.

 

o expediente do professor, que se mudou de Brasília para Florianópolis recentemente, se estende por 11 horas diárias. Apesar do tempo de dedicação ao ofício, ele preza pela qualidade de vida e mantém a rotina organizada para dar a devida atenção à família. "Acompanhei a primeira vez que meu filho andou, falou e escreveu. Eu estava presente em todos esses momentos. É possível ter uma vida confortável, estando em casa, falando sobre uma coisa de que você gosta. Não tem dinheiro que pague isso", garante.

 

Caio Ferreira/Divulgação

Curso 100% EAD liberados

O Ministério da Educação (MEC) publicou, em junho deste ano, portaria que amplia a oferta de cursos superiores a distância no país. A medida possibilita o credenciamento de instituições de ensino superior para cursos EAD sem a necessidade de cursos presenciais. Isso significa que as aulas podem ser 100% virtuais.

Escolha consciente

Veja como escolher um curso a distância

» Verifique a instituição responsável, sua idoneidade e reputação, bem como dos coordenadores e professores do curso

» Faça uma pesquisa com os ex-alunos do curso e alunos atuais. Caso você não tenha contato com nenhum, solicite aos responsáveis indicações de nomes e contato

» Confira ou solicite informações sobre a estrutura de apoio oferecida aos alunos (suporte técnico, apoio pedagógico, orientação acadêmica, etc). Preste atenção também à seriedade do atendimento quando solicitar informações

» Verifique se você atende aos pré-requisitos exigidos pelo curso

» Avalie o investimento e todos os custos, diretos e indiretos, envolvidos. Leia atentamente todos os documentos, avisos, prospectos e contratos do curso de interesse antes de fazer a matrícula ou assinar qualquer documento para pagamento

» Visite o polo presencial, se houver, para conhecer a estrutura oferecida pela instituição

» Para o caso de cursos que conferem titulação, solicite cópia ou referência do instrumento legal (credenciamento e autorização do Ministério da Educação ou do Conselho Estadual de Educação) no qual se baseia sua regularidade

» Guarde sempre cópias de todos os documentos e comprovantes de pagamentos efetuados

» Algumas instituições possibilitam que o futuro aluno faça uma aula teste para avaliar aspectos como a interatividade e o material

Fonte: Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed)
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.