Morre, aos 80 anos, ex-presidente da Caixa Econômica Paulo Rubens Mandarino

Mandarino esteve à frente do banco no fim dos anos 1980 e começo dos 1990 e também foi deputado federal. Ele tinha Alzheimer e teve um infarto pela manhã

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/08/2017 18:00 / atualizado em 11/08/2017 19:09

Arquivo pessoal

Morreu, no fim da manhã desta sexta-feira (11/8), o ex-presidente da Caixa Econômica Federal Paulo Rubens Mandarino. Ele tinha 80 anos e morreu em decorrência de um infarto. Nascido em Niterói (RJ), em 10 de julho de 1937, ele foi eleito deputado federal no início dos anos 1990. Formado em economia e história, Paulo Mandarino trabalhou como bancário, economista, técnico em administração e professor universitário. Ele morava há 40 anos no Distrito Federal. 
 
 
Segundo a filha Adriana Mandarino, 52 anos, o pai sempre buscou manter a união familiar. “Nós perdemos a nossa mãe muito cedo. Ele foi o nosso pai e mãe, nos criou e nos ensinou que a família é tudo”, enfatizou. 

Casado pela terceira vez, Paulo Mandarino vivia há 19 anos com Auta Bressanele Mandarino, 74. A viúva, muito abalada, elogiou a conduta o marido durante os anos em que viveram juntos. “Era uma pessoa afável, cuidadosa com todos. Ele vivia sorrindo, mesmo com dor”, relembra. Mandarino tinha Alzheimer.

Jales Marinho, 68, foi amigo de longa data do ex-presidente da Caixa Econômica. Ele conta que, na gestão de Paulo Mandarino à frente da instituição, mudanças importantes aconteceram. “Foi ele quem indicou a primeira mulher para a diretoria do banco público e responsável por articular a centralização do Fundo de Garantia do Trabalhador Assalariado”, explicou. "O Paulo era um homem muito justo e correto. É uma perda irreparável para nós", lamentou. 

O corpo do ex-presidente da Caixa Econômica Federal e ex-deputado federal será velado na Capela 7 do cemitério Campo da Esperança, na Asa Sul, às 8h. O sepultamento será às 11h. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.