Alunos e professores do Elefante Branco protestam contra sujeira

Segundo alunos, o local está inabitável, com lixo espalhado pelas salas e cheiro forte nos banheiros

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/08/2017 11:24 / atualizado em 17/08/2017 12:38


Laiene Eduardo/Arquivo Pessoal

Protesto de alunos e professores do Centro de Ensino Médio Elefante Branco (Cemeb) bloqueou a W3 Sul no sentido Norte/Sul entre as 11h e as 12h desta quinta-feira (17/8). De acordo com informações preliminares, cerca de 300 pessoas organizavam uma manifestação na altura da 707 Sul. Mais cedo, o grupo se reuniu na porta da escola. Devido à greve dos servidores de empresas terceirizadas que cuidam da limpeza e da merenda de escolas públicas do Distrito Federal, o local, segundo os manifestantes, as salas de aula e banheiros estão "inabitáveis". O trânsito local já foi liberado e, de acordo com a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF), não houve confronto e os esstudantes deixaram o local "tranquilamente".
 
 
Cerca de 400 alunos estiveram na porta da escola, segundo Laiene Eduardo, estudante do segundo ano do ensino médio e uma das representantes do movimento. Desde às 7h15 da manhã de hoje, horário de início das aulas, eles se recusaram a entrar no local. “Tem lixo espalhado por todo lugar, a gente não consegue nem passar perto dos banheiros. É impossível ficar dentro da escola”, disse a estudante.

O professor Alcir Borges, de 57 anos, participou do movimento. Indignado com a situação da escola, ele confirma que estudantes vão continuar se movimentando para tornar o problema visível ao governo. “Parece que a educação não é prioridade. Como manter uma qualidade de ensino neste ambiente?”, questionou. A previsão é de que, nesta sexta-feira (18/8), mais de 400 alunos e professores voltem a se manifestar no local, reivindicando um ambiente limpo para continuarem as atividades escolares. 
 

Greve 

Os funcionários da limpeza estão em greve há oito dias, reivindicando salários e reclamando do atraso de dois meses e meio do ticket alimentação. A categoria recebeu o pagamento deste mês com nove dias de atraso. Segundo o Sindiserviços, amanhã, os servidores voltam a trabalhar normalmente. Hoje, a categoria esteve na porta da Secretaria de Educação protestando pagamento dos oito dias parados e pedindo que o governo intervenha nas ameaças de demissão que servidores têm recebido das empresas prestadoras de serviços terceirizados devido aos dias em que não trabalharam. 
 
Aguarde mais informações 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Ulisses
Ulisses - 17 de Agosto às 11:43
Nós do CEM 02 do Gama, Estamos na mesma situação. Salas de aula impraticáveis, banheiros imundos e fomos à rua no dia de ontem até a CRE exigir providências e respeito aos funcionários, que são poucos, sobrecarregados e ainda sem salário. Cadê a dignidade? Estamos em luta!!