Crônica da cidade: 'Brasília avant-garde'

'Por mais que críticos, políticos e intelectuais formassem trincheiras contra o sonho de JK, o início dos anos 1960 estava reservado para Brasília. E os ecos da construção atingiram em cheio a arte'

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/08/2017 13:50

A construção de Brasília mexeu com a imaginação alheia mais do que se pensa. Longe dos esqueletos de concreto, a notícia sobre a empreitada para erguer a nova capital federal no Planalto Central do Brasil se espalhou pelo mundo e surpreendeu como um tsunami em costas asiáticas. Causou furor, trouxe esperança, mas também provocou descrença, desconfiança e revolta. Principalmente dos cariocas. Até então, o Rio de Janeiro trazia dos anos 1950 toda a vanguarda e o glamour forjados em tempos de Cidade Maravilhosa.

À época, por mais que críticos, políticos e intelectuais formassem trincheiras contra o sonho de JK, o início dos anos 1960 estava reservado para Brasília. E os ecos da construção atingiram em cheio a arte. Alguns exemplos saborosos desvendam, em parte, o frenesi e a expectativa criados em torno da novidade. Um dos primeiros a se encantar com a aventura candanga e traduzi-la em música nem mesmo é brasileiro. O saxofonista norte-americano John Coltrane não esperou um ano de fundação para compor Brazilia. Em uma performance ao vivo, em janeiro de 1961, no Village Vanguard, tradicional clube de jazz de Nova York, ele traçou voo sobre o Plano Piloto acompanhado do seu quarteto.

A ideia de Trane sobre Brasília resultou em um improviso repleto de vitalidade e suingue, com direito à introdução apoteótica e a diversas explosões energéticas de sax e piano. A faixa aparece em pelo menos dois álbuns da discografia deste ícone do jazz. Em The John Coltrane Quartet Plays, de 1965, há uma versão de 12 minutos e 56 segundos. A segunda gravação, em um disco póstumo, reserva uma surpresa. Brazilia é a estrela do LP homônimo de 1978, mas com 19 minutos e 20 segundos de performance ao vivo. A capa do bolachão revela, ainda, um desenho do Congresso Nacional em traços simples e retos, como se retirados da prancha de um arquiteto.
 
 
 
No Brasil, a concepção de Brasília provocou os tropicalistas em plena ditadura militar. E deu o ar da graça em Objeto sim, objeto não, uma das letras mais complexas de Gilberto Gil: “Eubioticamente atraídos/Pela luz do Planalto Central/Das Tordesilhas/Fundarão o seu reinado/Dos ossos de Brasília.” Talvez inspirado por uma crônica cortante de Clarice Lispector sobre a nova capital brasileira, o baiano viajou na ilusão da civilização, citando Roma, Eldorado e os lumiencarnados. Tudo elevado pela mais alta potência dos vocais de Gal Costa, entremeados por guitarras, gritos, sussurros e toda a maluquice sedutora de um dos discos mais lisérgicos da produção musical nacional: Gal, de 1969.

Àquela época, com Gil e Caetano Veloso no exílio forçado em Londres, Gal Costa assumiu-se como referência da tropicália. Foi quando ela deixou de lado a bossa nova para mergulhar nas águas profundas do rock psicodélico. E ganhou, a partir da genialidade de Gil, a companhia de uma jovem e insegura Brasília, que, apesar do estado de exceção, tentava se firmar como capital do Brasil. Nos anos 1980, uma Brasília madura seria reverenciada por roqueiros e punks. Mas essa é outra história.
 
 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.