Um faroeste caboclo que não tem fim: Correio mapeia violência no Entorno

A partir desde domingo (19/8), série mostra como a violência afeta cidades goianas próximas ao DF. Luziânia é o primeiro lugar percorrido pela reportagem

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/08/2017 08:00 / atualizado em 20/08/2017 11:15

Antonio Cunha/CB/D.A Pres
 
A criminalidade que atinge o Entorno do Distrito Federal coloca alguns dos municípios goianos como os mais violentos do país. Nessas cidades, a pobreza se mistura com a insegurança. Bandidos deixam órfãos, viúvas e pais sem filhos. Em meio à rotina simples, moradores  enfrentam a falta de segurança. Vale tudo, inclusive correr para pegar um mototáxi ao descer do ônibus à noite, na volta para casa.
 
Todo e qualquer trajeto pode se tornar uma ameaça. A partir de hoje, o Correio começa a mapear o cinturão do crime no DF. De Luziânia a Formosa, de Valparaíso a Planaltina de Goiás, de Águas Lindas a Santo Antônio do Descoberto. Os repórteres vão percorrer os extremos, do Entorno Norte ao Sul, para entender como a violência afeta a vida dessas pessoas.
 
A começar por Luziânia, cidade distante apenas 60km do Congresso Nacional, a realidade para os moradores da cidade é bem diferente de quem vive no Plano Piloto. Para a comunidade goiana, os adjetivos como “inseguro”, “violento” ou “intimidador” são expressões corriqueiras que definem o sentimento de vulnerabilidade em que estão. Comércios com grades e pessoas desconfiadas compõem o centro da cidade outrora pacata, mas ainda cheia de tradição. Há uma semana, o perigoso líder do tráfico no Jacarezinho, comunidade do Rio de Janeiro, foi preso na cidade. Nilson Roger da Silva de Freitas faz parte de uma das maiores facções criminosas do Rio, o Comando Vermelho.
 
O município é feito de contrastes. Nas áreas mais pobres, as vias são de terra batida e cascalho, as casas são simples e falta o básico, como transporte público e policiamento. Na cidade quase tricentenária, as ruas guardam mais histórias sobre assaltos e homicídios do que sobre o passado de sagas ao Planalto Central. Os moradores adotaram até mesmo um toque de recolher: às 21h ninguém sai de casa.
 
Assim como acontece no DF, em Luziânia, quanto mais distante do centro, pior. Outra semelhança é a dificuldade no acesso à saúde e educação e, entre os moradores, poucos querem continuar na cidade. O sonho da maioria é “comprar uma casa em Brasília” ou “voltar para a terra natal”. Alguns saíram de outros estados em busca de oportunidades, mas não conseguiram se sustentar economicamente no DF e recorreram ao Entorno. Outros são conterrâneos e já nasceram procurando uma brecha para partir.

Dor e medo

Em Luziânia, os medos e as angústias conversam entre si. Uma tragédia pode acontecer a qualquer momento. Em 2014, Ângela Vieira dos Santos, 31 anos, perdeu o marido e, hoje, é responsável por educar os quatro filhos sozinha. No mesmo ano, Marina (nome fictício), 51, teve o filho assassinado durante um assalto. O sentimento de revolta tomou conta da mulher. Após três anos, as duas afirmam que nada mudou. A dor e o medo continuam com elas na cidade goiana. (leia mais abaixo)
 
O secretário municipal de Segurança Pública, Hildo Aniceto, afirma que na região funciona o Gabinete de Gestão Integrada Municipal que reúne, mensalmente, agentes da segurança pública. O grupo, segundo o secretário, estabelece estratégias de prevenção ao crime e ações intensivas. Entre as medidas está o investimento em educação, em ações sociais, aumento de policiais e seguranças nas ruas. Porém, aparentemente inalcançáveis pelo governo, muitos moradores criaram grupos de ajuda e até organizações não governamentais (ONGs) que restagamadolescentes vulneráveis, orientar vizinhos sobre direitos e até promover cultura.

Raio-x

Luziânia é a 21ª cidade mais violenta no Brasil. A cidade possui uma taxa de 74,7 mortes a cada 100 mil habitantes. Fica atrás do Novo Gama, considerada a 20ª cidade mais violenta do país, com taxa de 75 assassinatos a cada 100 mil moradores.

No primeiro semestre de 2017, de janeiro a junho, o município registrou 73 assassinatos, 77 tentativas de homicídios, cinco roubos seguidos de morte (latrocínios) e sete tentativas de latrocínio.  No mesmo período, houve 2.258 ocorrências de roubo, 10 roubos com sequestro, 1.909 furtos, 180 lesões corporais e 74 casos de tráfico de drogas.

Luziânia está entre as cinco cidades de mais atenção das forças de segurança pública, além de Valparaíso de Goiás, Águas Lindas, Formosa e Novo Gama. O município possui três presídios: as cadeias públicas de Luziânia (para homens e para mulheres) e a Casa de Prisão Provisória de Luziânia.

A cidade fala

Por que o município é tão violento e o que pode ser feito para mudar a situação da cidade na sua opinião?

José Nilson da Silva,
45 anos, comerciante
A violência é um problema no mundo todo. O que está acontecendo aqui, também acontece no resto do país. Ao meu ver, falta investir em educação, cultura e segurança pública, além de modificar as leis do país, que estão desatualizadas e precisam ser mais severas.

Vânia dos Santos Ribeiro,
37 anos, manicure
A violência está como está pela falta de investimento em segurança pública. Falta efetivo policial e policiais nas ruas. Isso incentiva os criminosos a agirem, pois ficarão impunes. Também é preciso investimento em cultura, pois nossos adolescentes não têm o que fazer na cidade.

Melquezedec Paiva de Brito,
37 anos, barbeiro
A cidade é violenta, principalmente, por causa do tráfico de drogas e das disputas que isso gera. Recentemente, a prefeitura mudou e intensificou o policiamento, mas ainda há muito o que fazer. Precisamos de equipes da PM nas ruas e mais abordagens.

Sônia Cristina Pereira,
45 anos, auxiliar de produção
A verdade é que quase não vemos policiais nas ruas. Não há carros da PM circulando, por exemplo. Eu já fui assaltada quatro vezes. Sempre por adolescentes interessados na bolsa ou no celular. É preciso investimento em cultura e segurança pública para mudar a situação.
 

 A ótica das autoridades

Cristóvão Tormin (PSDB), prefeito de Luziânia
“Luziânia é uma cidade tranquila e pacata que cresceu desordenadamente com a vinda da capital federal e o inchaço populacional. Por isso, várias demandas ficaram reprimidas porque faltaram, ao longo das décadas, investimentos em várias áreas essenciais. A prefeitura tem feito a sua parte, mas depende dos poderes constituintes, como os governos federal e estadual. Por parte da prefeitura, nunca houve tanto investimento na área de segurança e educação em tempo integral. Mas o que aumenta os índices de violência é que, quando há uma morte nas cidades vizinhas, como em Cristalina e Padre Bernardo, as estatísticas saem de Luziânia. O IML de Luziânia corresponde a todas as cidades da região, mesmo não sendo de competência do município. Estamos conseguindo melhorar os números oficiais, mas os roubos, por exemplo, são fruto do desemprego. Essa é a gestão que mais investiu em benefícios”.
 
Emmanuel Henrique Balduino de Oliveira, superintendente executivo de Ações e Operações Integradas da Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária de Goiás (SSPAP-GO)
“Luziânia não é uma ilha isolada do estado. O município sofre consequências em virtude da sua proximidade com cidades do Distrito Federal, cujos índices de violência são maiores que o de Luziânia, por exemplo, Samambaia. Esse cenário não é só de Samambaia ou Luziânia, mas de todos os municípios brasileiros. Entre as causas de criminalidade e violência estão a falta de envolvimento da União em dividir os custos e investimentos na segurança pública, o modelo do pacto federativo que deixa a responsabilidade de segurança para os estados, a legislação penal ultrapassada e ineficiente e, ainda, a falta de uma política penitenciária que discipline e mantenha o transgressor da lei fora do convívio em sociedade. O problema não é regional, mas nacional e sistêmico, violência e criminalidade não se resolvem com polícia somente.”
 
Hildo Aniceto, secretário municipal de Segurança Pública
“Alguns fatores contribuem para a violência na cidade de Luziânia. Uma delas é que é uma cidade cortada pela BR-040, que dá acesso a várias outras cidades, como Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo. Com isso, lamentavelmente a presença do crime organizado tem chegado à nossa cidade. Já é fato público que na região há atuação do PCC (Primeiro Comando da Capital), Comando Vermelho, Família do Norte, entre outras. Por causa do fator geográfico e em razão da presença do crime organizado, o tráfico de drogas passa por Luziânia. Além disso, é a porta de entrada e de saída para o Distrito Federal. O crescimento demográfico é outro grande fator que impacta na segurança. As políticas públicas nem sempre acompanham o crescimento populacional e, sendo uma cidade quase tricentenária, a mão do estado ainda não chegou de forma suficiente para trabalhar o âmbito social e educacional. Lutamos muito forte contra o crime organizado, além dos casos de assalto à mão armada, roubo de veículos, homicídios e roubo em residências. Nós não nos eximimos de nossa responsabilidade.”
 
Alberto Carlos Clemente da Silva, tenente-coronel e comandante do 10º Batalhão da PM-GO
“A impunidade é o que reflete a insegurança dos moradores. A falha na legislação não deixa o indivíduo (que cometeu um crime) preso. A gente prende a mesma pessoa quatro, até cinco vezes, e ela retorna para o convívio da sociedade. Muitas das vezes, a lei não ajuda que essa pessoa pague pelo crime que cometeu. A crise nacional também repercute na violência por causa dos altos índices de desemprego, além da reincidência. Deveria haver um maior rigor na legislação para manter preso os autores e que para eles sejam punidos de acordo com a lei.”
 
Rodrigo Mendes, delegado regional  
A reportagem tentou falar com o delegado desde quarta-feira. Até o fechamento desta reportagem, ligou de duas a três vezes por dia para o celular do policial. Também enviou mensagens de texto e deixou recado na caixa postal e com policiais, mas ele não retornou a nenhuma das tentativas.
 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
ercilia
ercilia - 20 de Agosto às 14:20
As cidades satélites do DF padecem dos mesmos problemas, basta ir na Estrutural, Itapoã,..a desigualdade social e espacial é muito grande. Isso tudo é uma bomba relógio, e logo vai estourar no Plano Piloto e áreas nobres também,
 
ercilia
ercilia - 20 de Agosto às 14:13
E as cidades que estão dentro do DF? não existe entorno...existem cidades que cresceram devido a necessidade de prestadores de serviços para Brasilia. Essas cidades estão muito mais para um problema gerado por Brasilia que por Goiás. Não tem como fazer politica pública de combate a violência levando em consideração que essas cidades são entorno do DF, e que na verdade fazem parte de um problema gerado pelo DF.