Família pede ajuda ao GDF para pagar enterro de vítimas de atropelamento

O pedido foi feito ainda nesta manhã, já que três pessoas da mesma família morreram, e eles não têm condições financeiras de pagar o velório

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/08/2017 11:03 / atualizado em 28/08/2017 11:12

Ed Alves/CB/D.A Press

 

A família de Rute Ester de Jesus Carvalho, 22 anos, e Gabriela de Jesus Carvalho, 19 anos, atropeladas por um adolescente embriagado de 17 anos na manhã de domingo (27/8), recorreu ao Governo de Brasília para custear o enterro das vítimas. O pedido foi feito ainda nesta manhã. Os custos para o enterro das três vítimas é alto e eles não têm condições financeiras de pagar. Além das duas irmãs, o filho de Rute, de 6 meses, também morreu no local. 

 

Leia mais notícias em Cidades

 

 

Com muito sofrimento, a prima das vítimas, Denise Carvalho contou a indignação da família. "Esse rapaz tem que pagar. Não pode ficar assim. Não vai trazer de volta, nem tirar a dor. Mas ele não vai mais fazer isso", disse. O acusado não tinha Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e dirigia, embriagado, o carro do pai. Ele perdeu o controle do veículo, acertou um poste e atingiu cinco pessoas na pista destinada a pedestres e bicicletas. Além das três vítimas que vieram à óbito, o pai das duas mulheres, Mun Sun Go e uma outra criança de 2 anos também foram atropeladas, mas sobreviveram. 

 

Segundo testemunhas, o jovem tentou fugir, mas foi contido por moradores da região. A Polícia Militar conseguiu apreendê-lo, e confirmou a embriaguez com um teste de bafômetro. De acordo com a PM, ele foi encaminhado para a 20ª Delegacia de Polícia (Gama), e depois levado para a Delegacia de Criança e do Adolescente (DCA). Ele tem antecedentes por roubo. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Rodrigo
Rodrigo - 28 de Agosto às 18:27
Filomena, Cleyvisson e Gilmar, não estou aqui para defender o acusado, ele tem que pagar pelas suas praticas. Mas não concordo que os pais tenham que sofrer algo que não foram praticados por eles, mesmo porque tem muitos pais que ensinam seus filhos no caminho correto, tentam ensinar as coisas corretas, porém alguns filhos ainda assim preferem fazer o errado.
 
helder
helder - 28 de Agosto às 17:36
Lamentável a morte dessas pessoas, o que gera revolta é saber que nada irá acontecer com esse jovem que é considerado inimputável perante a justiça.
 
arnaldo
arnaldo - 28 de Agosto às 17:27
Eu acredito que as leis não permitem esta despesa, porém o Estado deve acionar a família do adolescente.
 
Alan
Alan - 28 de Agosto às 15:59
Segundo outras reportagens, o rapaz (assassino), já estava envolvido em outros crimes como roubo, furto...enfim. Sabemos que o melhor, a vida dos inocentes, não vão voltar. Então, diante da tragédia, quem tem que ficar com a conta é o PAI. Ate porque ele é o responsável pelo moleque e seus atos.
 
GILMAR
GILMAR - 28 de Agosto às 15:25
Concordo plenamente com Cleyvisson e Filomena, quem tem que pagar são os pais deste marginal,
 
cleyvisson
cleyvisson - 28 de Agosto às 13:45
Já vivia a vida de crime. Isso é prova suficiente para imputar essa CARNIFICINA a ele. Esse ser vivo não dá a mínima para a vida do ser humano. E isso é reflexo da educação (de berço) que os pais dão! Redação, publique essa indignação!!
 
cleyvisson
cleyvisson - 28 de Agosto às 13:39
Quem tem que bancar essa despesa, é a família desse assassino! Fica fácil demais, matar, e alegar que não tinha intenção.
 
suely
suely - 29 de Agosto às 05:47
Concordo plenamente, o pai tinha por obrigação acionar a PM ja que o bandido do filho estava dirigindo o carro sem sua autorização. O minimo que a familia desse rapaz é arcar com as despesas com o funeral.
 
filomena
filomena - 28 de Agosto às 13:11
Quem tem que pagar e' o pai do bandido menor que ja sabe que o filho e' um criminoso e ainda deixa ele usar o carro sem habilitacao.
 
arnaldo
arnaldo - 28 de Agosto às 16:46
Caso as leis não permitam o próprio Estado poderia e deve acionar a família do adolescente que causou esta tragédia.