"Estou sem chão", diz jovem que perdeu mulher e filho atropelados no Gama

Acidente na Avenida do Contorno matou duas irmãs e um bebê atropelados, na manhã de domingo; adolescente embriagado que dirigia o veículo responsável pela batida passou por audiência de custódia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/08/2017 06:00 / atualizado em 29/08/2017 07:15

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press
 
Três dias após a tragédia que matou duas irmãs e um bebê de seis meses atropelados na Avenida Contorno do Gama, familiares, amigos e moradores da região se reunirão na via para pedir Justiça. O ato está marcado para as 8h, na altura da Quadra 24, próximo à Vila Roriz. Com diversas faixas, eles farão uma passeata até o Cemitério do Gama, onde será o velório das vítimas, às 9h. Além das duas mulheres e do neném, o adolescente de 17 anos embriagado que conduzia o veículo atingiu um idoso que está hospitalizado e uma criança de 2 anos, que está com o pai na casa de parentes.
O acidente aconteceu por volta das 8h30 de domingo. O jovem, que passou a noite com amigos, dirigia acima do limite de velocidade da via, de 60km/h, quando bateu o Hyundai Azera preto em um poste e capotou por diversas vezes. Após o acidente, ele ainda tentou fugir a pé, mas foi apreendido por uma equipe da Polícia Militar que passava nas proximidades. A jovem Gabriela de Jesus Carvalho, 19 anos, a irmã dela, Rute Ester de Jesus Carvalho, 22, e o filho de Rute, o bebê Erico Henrique Carvalho, morreram na hora. As outras duas vítimas são o irmão de Erico, Edriel Henrique Carvalho, e o pai das duas e avô dos meninos, o coreano Man Sun Go.

Ontem, os familiares das vítimas passaram o dia resolvendo os últimos detalhes do enterro e da manifestação. Entre a busca por documentos, a ida ao Instituto de Medicina Legal (IML) e a visita a funerárias, mal tiveram tempo para o luto. Marido de Rute e pai de Erico e Edriel, Elton Henrique da Silva Freire chorou de manhã, ao falar por telefone com a tia Kátia dos Reis Silva, 31. “Ela veio passar o fim de semana com ao pai. Voltaria para casa ontem (no domingo). Estou sem chão. Sem rumo. Não sei o que fazer da minha vida. A dor que sinto corrói tudo. Até meus pensamentos”, descreveu.

Assim como o filho mais velho, Elton perdeu a mãe quando tinha 2 anos, vítima de bala perdida, no Setor de Indústria do Gama. “Ninguém poderá ocupar o lugar da mãe do meu filho para ele. Agora, somos só nós dois, e terei que fazer o meu melhor. É a responsabilidade de todo pai, mas terei que tirar forças não sei de onde para ser ainda melhor”, diz. “Cuidávamos dos nossos filhos e tínhamos o sonho de melhorar de vida. Eu estava procurando emprego e queríamos comprar uma casa em um lugar melhor”, recorda ele, que morava com a família em Luziânia (GO).

Audiência

 
O adolescente que teria provocado o acidente passou por uma audiência de custódia ontem. Ele continuará internado até que o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) decida se apresentará a queixa. O advogado do rapaz, André Toledo de Almeida, acredita que o MP se manifestará em três dias. “A polícia está ouvindo testemunhas e é difícil ter uma noção do que vai acontecer”, justificou o defensor. O jovem, que nega ter ingerido bebida alcoólica, foi levado para a Unidade de Internação Provisória de São Sebastião. Após o promotor do MPDFT se pronunciar sobre o caso, o juiz terá 45 dias para marcar uma nova audiência ou o jovem será solto. Ele poderá ficar apreendido por, no máximo, três anos.

Na rua onde o jovem mora com os pais, o clima é de tensão. Quem concordou em falar com a reportagem contou que o rapaz sempre dirigia o carro e também fazia manobras arriscadas nas proximidades. O aniversário do adolescente foi em 24 de agosto e, segundo alguns moradores, ele teria passado a noite comemorando e dirigindo o carro com a ciência dos pais. O advogado de defesa nega as informações e afirma que o rapaz pegou o veículo sem consentimento, por volta das 23h de sábado.


Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
cleyvisson
cleyvisson - 29 de Agosto às 08:22
Camarada, não há um ser humano no mundo que possa aliviar esse teu pesar! Mesmo assim, espero que consiga sobreviver a isso. Meus sinceros sentimentos por você, seus familiares e amigos!