Corpo de funcionário que morreu em fábrica da JBS será enterrado hoje

José Eudes morreu quando higienizava equipamentos. Família pede responsabilização, para que outros funcionários não sejam vítimas da mesma tragédia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 31/08/2017 06:05

Antonio Cunha/CB/D.A Press
Diariamente, Sônia Mendes esperava pelo marido às 5h da manhã. Esse era o horário de chegada de José Eudes Ferreira da Rocha, 51 anos, que trabalhava na higienização da salsicharia na fábrica da JBS em Samambaia. O percurso é curto. Com aproximadamente 300 passos o trabalhador conseguia chegar ao destino com facilidade. No fim da madrugada de ontem, horário em que ele deveria voltar para casa, Sônia ouviu dois homens chamá-la pelo nome do portão. Na mesma hora, identificou os funcionários da empresa em que o marido trabalhava. Eles avisaram que o homem havia morrido, vítima de um acidente com uma das máquinas. “Perdi o chão, perdi tudo”, resume.
 
 
O fato aconteceu pouco antes das 3h. José higienizava um dos últimos equipamentos quando foi puxado por uma máquina que tem o mecanismo de sugar e soltar. Colegas de trabalho sentiram a falta do companheiro no horário do lanche fornecido pela empresa e foram em busca dele. Segundo testemunhas, no local, o encontraram preso por um dos braços e pela cabeça. Brigadistas da JBS fizeram os primeiros socorros. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado, mas o José morreu no local.
 
Antonio Cunha/CB/D.A Press
Sônia conta que, há duas semanas, o marido chegou em casa com um machucado próximo ao peito, devido a um acidente na mesma máquina. “Ele tinha sido sugado, mas conseguiu sair. De vez em quando conversava comigo, e falava já tinha alguns problemas nesses equipamentos. Inclusive, tinha avisado para o supervisor que estava entupindo com facilidade”, relata. Ela lembra a dedicação do esposo com o trabalho e a família. “Sempre foi uma pessoa muito correta. Só ia embora quando terminava o serviço, trabalhava doente, nunca entregou atestado. Não matava um dia na empresa para que não faltasse nada em casa. Foi um exemplo de marido, pai e filho.”
 
A filha mais velha da vítima, Istefanas Rocha, 29 anos, conta que o pai era conhecido carinhosamente como Ceará e sempre foi querido por todos. “Nunca se envolveu em nada de errado. Se perguntar para os vizinhos e os outros funcionários, todo mundo vai falar coisas boas dele. No que ele pudesse ajudar, estava disposto”, declara. "Espero que as pessoas certas sejam responsabilizadas. Que as famílias de outros funcionários não passem pelo que estamos passando", completa.
 
Em nota, a JBS lamentou a morte do funcionário e afirmou que “se solidariza com a família do colaborador e já está prestando todo apoio necessário”. Segundo a empresa, “uma equipe interna, com apoio das autoridades competentes, já iniciou as investigações para identificar as causas do acidente e outras providências”. A 32ª Delegacia de Polícia (Samambaia Sul) investiga as causas do acidente. O corpo de José Eudes será velado nesta quinta (31/8), a partir das 8h, no Cemitério de Taguatinga, e o enterro está marcado para as 10h30.
 
Antonio Cunha/CB/D.A Press
 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.