Caesb cogita ampliar racionamento para dois dias por semana

A partir da próxima quarta-feira, algumas regiões que não são abastecidas pelos reservatórios do Descoberto ou de Santa Maria também passam a fazer parte do cronograma de rodízio de água

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/09/2017 08:00 / atualizado em 02/09/2017 10:52

Marcelo Ferreira/CB/D.A Press

 

O impacto da seca e dos mais de 100 dias sem chuva começa a trazer consequências mais graves para o abastecimento hídrico do Distrito Federal. A partir da próxima quarta-feira, algumas regiões que não são abastecidas pelos reservatórios do Descoberto ou de Santa Maria também passam a fazer parte do cronograma de rodízio de água. E a situação pode se tornar ainda mais rígida nas próximas semanas, pois, se necessário, a Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) afirma não descartar a possibilidade de ampliar os dias do racionamento para pelo menos dois.
 
 
O formato do racionamento nas regiões administrativas de São Sebastião, Fercal e os Setores Habitacionais Contagem, Boa Vista, Grande Colorado e Mansões Sobradinho será semelhante ao do restante do DF: ciclo de seis dias, com interrupção do abastecimento por um dia e 48 horas para estabilização. A região é abastecida por poços tubulares profundos e captações superficiais. Segundo a Caesb, os recursos apresentaram expressiva redução de produção com a intensificação da estiagem no Distrito Federal. “A diminuição da disponibilidade hídrica, o aumento da demanda de água devido ao calor e baixa umidade, além do grande número de ligações clandestinas nessas regiões, são fatores que intensificam a situação crítica de abastecimento”, declarou a companhia.

A região atingida tem população de cerca de 150 mil habitantes. O órgão também afirma que o rodízio não tem previsão de término e que vai perdurar “pelo tempo necessário para restabelecer as condições de segurança hídrica do abastecimento pelos reservatórios”. Com isso, Planaltina, Sobradinho, Brazlândia se tornam as únicas regiões administrativas a não participarem do rodízio.


Atenção necessária

Descoberto e Santa Maria fecharam agosto acima da previsão da Curva de Acompanhamento da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) para o período. O volume dos reservatórios em medição na tarde de ontem era de 28,48% (Descoberto) e 36,21% (Santa Maria), números acima dos 25% e 33%, respectivamente, previstos para o fim de agosto. Mesmo com o avanço, a Adasa ressalta que os brasilienses devem continuar a preservar os hábitos de uso racional da água.

Desde a última chuva, em Maio, o reservatório do Descoberto caiu mais de 25 pontos percentuais. O professor Daniel Richard, do departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (UnB) afirma que o racionamento é uma medida emergencial necessária, mas que os órgãos públicos não estão fazendo o máximo que poderia ser feito. “Precisamos de programas de educação ambiental. É possível implementar uma série de ações de uso consciente dos recursos. Pois em quadros de racionamento, a população se prepara antes e estoca água, diminuindo a eficiência da ação”, conta. 

Sant’Ana usa como exemplo programas feitos em outros países que enfrentaram crise hídricas semelhantes, como os Estados Unidos. “São ações parecidas com as feitas no Brasil após a época do apagão. Na Califórnia, a companhia de abastecimento investiu em pequenas peças de tecnologia, como torneiras que usem menos água, medidores de pressão na rede hidráulica, chuveiros conscientes. Tudo isso diminui muito os gastos, porque o cidadão precisa continuar tomando banho, dando descarga e bebendo água, mas com equipamentos assim, o gasto é bem inferior”, aconselha. O professor só destaca que “o gasto com esses equipamentos não pode ficar apenas com os moradores, o governo deve investir nisso para que o projeto dê certo”. 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Saul
Saul - 02 de Setembro às 10:50
Passar para dois dias? Aqui no Setor P Norte já tem mais de três meses que a água falta durante dois dias seguidos. A água falta por volta das oito horas de um dia e só volta por volta das dezenove horas do dia seguinte.