Rodoviários e GDF se reúnem hoje em audiência para nova negociação

Audiência de conciliação ocorre depois da greve da categoria na semana passada. Rodoviários pedem reajuste salarial de 10% e outros benefícios

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 04/09/2017 10:11 / atualizado em 04/09/2017 15:25

Antonio Cunha/CB/D.A Press - 7/3/17

Integrantes do Sindicato dos Rodoviários e do Governo do Distrito Federal (GDF) estão reunidos, a manhã desta segunda-feira (4/9), no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 10ª Região. A reunião de conciliação ocorre após a greve feita pela categoria na última segunda-feira (28/08), quando rodoviários das empresas Pioneira, São José, Piracicabana, Urbi e Marechal, incluindo os ônibus do BRT do Gama e de Santa Maria, não saíram das garagens. Mais de 600 mil passageiros foram prejudicados.
 
 
De acordo com o Sindicato dos Rodoviários do Distrito Federal (Sinttrater/DF), a categoria reivindica reajuste salarial de 10%, do tíquete-alimentação, cesta básica, plano de saúde e plano odontológico. Já as empresas de ônibus alegam não ter condições de arcar com aumento superior ao percentual de reposição da inflação. Em reunião realizada no TRT na última quarta-feira (30/8),  a procuradora do Trabalho Paula de Avila e Silva Porto Nunes propôs o reajuste salarial de 4,5%, aumento de 5% no valor do tíquete-alimentação, 6% na cesta básica, 14% no plano de saúde, e 14% no plano odontológico.
 

Multa

O GDF entrou com uma ação por meio da Procuradoria-Geral do Distrito Federal, pedindo a ilegalidade da greve. Uma liminar garantiu o funcionamento de 100% da frota de ônibus no DF nos horários de pico e 50% nos demais horários. A decisão do juiz Carlos Fernando Fecchio dos Santos, da 4ª vara de Fazenda Pública do Distrito Federal, determinou que o sindicato da categoria o restabelecimento imediato do serviço, com multa no valor de R$ 1 milhão.
 
Na quarta-feira (30/8), após quatro horas tentando chegar a uma solução, rodoviários e representantes das empresas de ônibus suspenderam a reunião de conciliação por não haver acordo. O GDF foi acionado para buscar uma solução para o impasse, já que empresários alegam não ter condições de pagar os reajustes. A Secretaria de Mobilidade Social adiantou, no entanto, que será difícil conceder o aumento reivindicado pela categoria. O GDF acompanha há dois meses as negociações entre os rodoviários e as empresas e tenta mediar uma solução para o problema. 
 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Horst
Horst - 04 de Setembro às 13:07
Finalmente, o GDF entendeu que, embora se trate de um serviço delegado à empresas privadas, não pode se abster de, ao menos, intermediar as negociações salariais entre patrões e empregados com vistas à resolução de tal embroglio. De qualquer maneira, no entanto, talvez GDF e empresários nada tenham muito com que se preocupar. Hoje de manhã, peguei um ônibus para ir à casa da minha madrinha e o motorista já estava antevendo sua demissão, caso participasse de uma eventual greve a ser deflagrada no dia de amanhã. Em outras palavras, as grandes mudanças promovidas na CLT através da reforma trabalhista já estão produzindo seus efeitos imediatos na mente e no psíquico dos trabalhadores, que já sentem medo de lutar por seus direitos legítimos.