PM que matou vizinho teve prisão preventiva decretada por Tribunal do Júri

O juiz Fabricio Castagna Lunardi determinou a prisão do agente para %u201Cgarantia da ordem pública%u201D e da %u201Cinstrução criminal%u201D.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 08/09/2017 20:17 / atualizado em 10/09/2017 15:16

Arquivo Pessoal

 

O Tribunal do Júri de Samambaia aceitou o pedido de prisão preventiva do policial militar José Arimateia Costa, 58 anos, suspeito de matar a tiros um vizinho, Adilson Santana, 36 anos. Agora, o homem passa a ser considerado foragido.

 

O processo está sob segredo de Justiça. O juiz Fabricio Castagna Lunardi determinou a prisão do agente para “garantia da ordem pública” e da “instrução criminal”. O delegado Fábio Michelan, da 26ª Delegacia de Polícia, localizada em Samambaia Norte, foi o autor do pedido ao tribunal, depois de ter uma primeira solicitação negada.

 

Leia mais notícias de Cidades

 

A primeira solicitação foi negada pelo Tribunal de Justiça, que argumentou não haver urgência no caso. Michelan emitiu novo documento diretamente no Tribunal do Júri para dar celeridade ao processo.

 

As provas periciais ainda não foram finalizadas. O policial deve responder por homicídio qualificado por motivo fútil. A pena pode chegar a 30 anos de prisão. 

 

 

O caso


O desentendimento entre o autor e a vítima teria começado em um grupo de WhatsApp utilizado pelos moradores do prédio residencial onde moram, em Samambaia. Adilson morava em um apartamento acima do policial. Na conversa, José acusa a vítima de ter cuspiado na janela dele, o que levou à troca de ofensas. A 26ª Delegacia de Polícia (Samambia Norte) investiga o caso.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.