Julgamento de acusadas de morte de militar continuará na terça

Das seis testemunhas do caso, o Tribunal do Júri ouviu cinco. O julgamento deve ser retomado às 8h desta terça-feira (12/9)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/09/2017 22:50 / atualizado em 11/09/2017 22:53

Reprodução

O julgamento das duas mulheres acusadas de encomendar a morte do tenente-coronel do Exército Sérgio Murillo de Almeida, em maio de 2015, continuará até terça-feira (12/9). Desde o ínicio da manhã desta segunda-feira (11/9), o Tribunal do Júri de São Sebastião ouve os depoimentos de testemunhas do caso. 

 

Cristiana Maria Pereira Osório Cerqueira e Cláudia Maria Pereira Osório eram, respectivamente, esposa e cunhada da vítima. As duas respondem por homicídio duplamente qualificado, por motivo torpe e uso de meio que dificultou a defesa da vítima, pelo uso de arma de fogo e restrição de liberdade.

Leia mais notícias em Cidades


O julgamento começou por volta das 11h. Segundo informações do Tribunal de Justiça do DF, até as 18h, das seis testemunhas convocadas para prestar depoimento, cinco haviam sido interrogadas. Ao longo da sessão, uma das acusadas passou mal e precisou de atendimento médico. Por isso, a decisão só deve sair na terça-feira. O julgamento será retomado às 8h.

 

Outros acusados


Em setembro passado, o processo sobre a morte do oficial foi desmembrado em relação a outros quatro acusados de executar o crime. Em fevereiro deste ano, eles foram julgados e condenados pelo Tribunal do Júri de São Sebastião, pelos crimes de homicídio e furto qualificado, pelo fato de terem substraído o carro e outros objetos da vítima.

Leandro Ceciliano Martins, que atirou contra o oficial, foi condenado a 16 anos e três meses de reclusão. A Justiça também arbritrou as penas de nove anos e seis meses para Lorena Karen Custódio Santana; de 14 anos e dois meses de reclusão para Jorge Alencar da Silva; e de 21 anos e sete meses para Rodrigo Costa Sales da Paixão.

O caso


O crime foi registrado em maio de 2015. O tenente-coronel foi morto após uma simulação de sequestro relâmpago. Sérgio Cerqueira e a mulher visitavam um casal de amigos na residencial da 208 Norte quando foram abordados por quatro bandidos. O grupo colocou o militar no carro e arrancou. A mulher dele ficou para trás e teria pedido socorro no edifício. Cinco horas após o sequestro, o corpo de Sérgio Cerqueira foi encontrado no Núcleo Rural Agulhinha, em São Sebastião.

No mesmo dia, a Polícia Militar prendeu um adulto e apreendeu um adolescente. Os dois, que eram receptadores do carro roubado, passaram informações sobre os outros criminosos. Em seguida, a Polícia Civil localizou os quatro suspeitos, que foram encaminhados à Delegacia de Repressão a Sequestro (DRS). Doze horas após o tenente-coronel do Exército ser morto com um tiro na cabeça, Cristina Osório Cerqueira lamentou nas redes sociais a morte do marido. Pouco tempo depois, no entanto, ela foi presa com a irmã, ambas acusadas de terem tramado a morte do oficial.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.