Publicidade

Estado de Minas

Tribunal do Júri condena a 22 anos viúva e irmã acusadas de matar tenente

O militar foi assassinado em 2015, com um tiro na cabeça, após ser sequestrado por quatro pessoas


postado em 12/09/2017 19:25 / atualizado em 12/09/2017 20:39

A ex mulher e cunhada do tenente-coronel estão presas há dois anos e meio vão permanecer na Penitenciária Feminina do Distrito Federal. (foto: Reprodução)
A ex mulher e cunhada do tenente-coronel estão presas há dois anos e meio vão permanecer na Penitenciária Feminina do Distrito Federal. (foto: Reprodução)
O Tribunal do Júri de São Sebastião condenou, na tarde desta terça-feira (12/9), a viúva Cristiana Osório e a irmã Cláudia Osório a 22 anos de prisão. Elas são acusadas de planejarem o assassinato do tenente-coronel do Exército Sérgio Murillo Cerqueira, em maio de 2015. O militar morreu com um tiro na cabeça após ser sequestrado por quatro pessoas. A ex-mulher e a cunhada da vítima estão presas há dois anos e meio vão permanecer na Penitenciária Feminina do Distrito Federal. 


Segundo o juiz, foi considerada para a pena, principalmente, a culpabilidade. À época, Sérgio Cerqueira foi sequestrado quando entrava no carro com Cristiana. Quatro pessoas abordaram o casal na 208 Norte, onde o militar morava havia um mês com um amigo. Pouco tempo depois de ele ser levado, o corpo foi encontrado em uma área rural de São Sebastião, com um tiro na cabeça. 

Entre os quatro sequestradores, estavam Jorge Alencar da Silva, 21 anos, e Leandro Ceciliano, 27, que deixou a prisão dois dias antes após cumprir pena por estelionato. Apenas Leandro teve coragem de atirar.

Em fevereiro deste ano, eles também foram julgados e condenados pelo Tribunal do Júri de São Sebastião, pelos crimes de homicídio e furto qualificado, pelo fato de terem subtraído o carro e outros objetos da vítima.

Leandro, que atirou contra o oficial, foi condenado a 16 anos e três meses de reclusão. A Justiça também arbitrou as penas de nove anos e seis meses para Lorena; de 14 anos e dois meses de reclusão para Jorge; e de 21 anos e sete meses para Rodrigo Costa Sales da Paixão.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade