Fornecedora não realiza abastecimento e deixa prédio comercial sem gás

Ao todo, quatro estabelecimentos que contam com o serviço no Capital Financial Center tiveram que interromper os serviços pelo problema

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/09/2017 15:39 / atualizado em 13/09/2017 21:43

Correio Braziliense
Os funcionários dos estabelecimentos comerciais do edifício empresarial Capital Financial Center, no Setor de Indústrias Gráficas (SIG), se depararam com um contra-tempo ao chegarem no local para trabalhar na manhã desta quarta-feira (13/09). O fornecimento de gás de restaurantes e lanchonetes estava interrompido por volta das 7h. O motivo seria o manômetro do tanque de armazenamento estava zerado, indicando que o estoque estava vazio.
 
 
"Hoje nós chegamos para trabalhar e nem café conseguimos fazer", lamentou Nielson Batista de Oliveira, funcionário do restaurante Batata Doce, um dos quatro do ramo alimentício que foram prejudicados pelo problema. 

Os funcionários alegam que o tanque de abastecimento ficou vazio por conta de um erro no controle feito pela Supergasbras, empresa responsável pelo fornecimento do local, e que agenda os reabastecimentos conforme necessário.  Segundo relatos, a última recarga feita pela empresa, foi realizada em 17 de maio, quando foram colocados cerca 483kg de gás no tanque de estoque, que suporta aproximadamente 4.000kg. "É um descaso total. Nosso restaurante gasta em torno de 360kg de gás por mês, e a última recarga foi praticamente isso", comentou Nielson.

De acordo com a Maire Albernaz Neiva, dona do estabelecimento, o prejuízo pelo dia sem funcionamento ficou em torno de R$ 7 mil. Mas o que realmente incomodou a empresária foi ter que dispensar os cerca de 350 clientes que frequentam o local diariamente no horário de almoço por conta do imprevisto. "É um prejuízo moral de todas as formas imagináveis. O financeiro nós podemos contornar, mas o dos clientes... Escutei inclusive de alguns que eu sou irresponsável, mesmo o problema não sendo nosso", se queixou Maire, que divide o comando do restaurante com outra sócia. "Além do prejuízo financeiro tem essa questão moral. Saiu muita piadinha de que nós não havíamos pago a conta. Os clientes não sabem que é um problema externo", corroborou Nielson.

Tatiana de Paiva Passos, dona do Especiarias de Minas, também lamentou o dia de serviço perdido devido ao problema. "Foi ruim para todos. Eu tive como servir almoço porque o meu abastecimento vem de uma cozinha industrial fora, mas eu deixei de vender várias outras coisas", contou. Segundo ela, a quantidade de alimentos que ela trouxe de fora não foi suficiente para suprir a demanda que surgiu pelo não funcionamento dos comércios vizinhos.

Os estabelecimentos tentaram entrar em contato com a empresa, porém, segundo os representantes de vendas, apenas o condomínio poderia fazer uma solicitação de recarga. Com isso, a Coordenadora de Serviços do local, Crislaine Viana, telefonou para a empresa, e ouviu a promessa de que o problema seria resolvido em quatro horas, prazo que não foi cumprido. Ao todo, Crislaine precisou falar com dois representantes de vendas da Supergasbras em Brasília para conseguir um outro contato, que seria a responsável por fazer a distribuição do abastecimento regional.

Correio Braziliense
"Me informaram que iriam verificar o que houve, o porque de não ter nos atendido no prazo prometido. O único número que disponibilizam para os clientes é um 0800", disse. Mesmo portando os protocolos das outras ligações feitas, Crislaine foi informada que teria de aguardar uma solução. "Lá falaram que não havia chegado nenhum protocolo de solicitação de atendimento". Crislaine salientou que a empresa não havia fornecido um novo prazo para reestabelecer o fornecimento.

Segundo Nielson, desde a abertura do Batata Doce, em dezembro de 2015, eles enfrentam problemas com o serviço da empresa fornecedora de gás. "Na primeira recarga do cilindro houve um rompimento de um lacre e vazou mais de 480kg de gás que repassaram para que nós pagassemos. Tivemos que isolar o prédio, inclusive, com esse problema", relembrou.
 
Em resposta, a Supergasbras informa que o fornecimento de gás foi resolvido e normalizado na tarde desta quarta-feira, e que está verificando internamente o que causou o problema para tomar as ações necessárias.
 
* Estagiário sob supervisão de Anderson Costolli 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
filomena
filomena - 14 de Setembro às 00:13
Se fosse eu trocaria de fornecedora imediatamente