Justiça de Goiás solta policial acusado de balear menino de 6 anos

Sílvio Moreira Rosa atirou três vezes contra carro em bloqueio na BR-070, em janeiro. Agora, ele responde em liberdade por tentativa de homicídio

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/09/2017 19:49 / atualizado em 13/09/2017 20:18

Reprodução/TV Brasília
O policial civil acusado de balear o menino Luís Guilherme Coelho Caxias, 6 anos, está solto. O juiz Henrique Santos Magalhães Neubauer, do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO), decidiu libertar Sílvio Moreira Rosa, 55, que vai responder em liberdade por ter disparado três vezes contra o carro da família de Luís Guilherme. O crime ocorreu em 6 de janeiro na BR-070, na altura de Cocalzinho (GO).
 
 
Na decisão, proferida em 1º de setembro, o juiz determinou que o policial não saia de casa entre as 20h e as 6h. Sílvio também deve comparecer regularmente ao cartório criminal para comprovar o endereço e justificar atividades feitas durante o período de liberdade. Ele estava preso na Divisão Estadual de Investigações de Homicídios, em Goiânia, e responderá por tripla tentativa de homicídio.
 

O caso

Sílvio atingiu com três tiros o carro da família onde estava Luís Guilherme e os pais após ter sido ultrapassado na altura do Km 35 da BR-070. No local, segundo testemunhas, uma das faixas estava bloqueada, e o veículo da família tentou entrar na frente dos outros carros.
 
Logo após o crime, o agente fugiu para Águas Claras, mas acabou preso em seguida. Na época da prisão, ainda em janeiro, Sílvio justificava que atirou por pensar se tratar de um assalto.
 
Uma das balas entrou no lado esquerdo das costas da criança. O projétil ficou alojado no pulmão direito de Luís Guilherme depois de quebrar duas costelas e passar pelo coração do menino, que chegou a ficar cinco dias em coma. Até hoje, ela convive com as sequelas do disparo, e a família o poupa de ouvir detalhes sobre a recuperação e o processo contra o policial civil.
 
Colaborou Roberta Belyse, especial para o Correio 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.