Mulheres que tiveram câncer de mama desfilam pelo Outubro Rosa

A ação foi organizada pelo grupo Rosas do Cerrado. Aproximadamente 300 pessoas prestigiaram o evento

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/10/2017 21:34 / atualizado em 07/10/2017 22:04

Carlos Vieira/CB/D.A Press


Lindas, alegres e empoderadas, 30 mulheres do grupo Rosas do Cerrado, que venceram o câncer de mama ou estão em tratamento, desfilaram pelo Outubro Rosa, na Orla do Pontão do Lago Sul, na tarde deste sábado (7/10). Cerca de 300 pessoas prestigiaram o evento, que contou com a abertura da banda naval. Portadores de Síndrome de Down também desfilaram. Foram distribuídas cartilhas, laços e balões na cor rosa, que simbolizam a campanha deste mês contra o câncer de mama.

 

Leia mais notícias em Cidades

 

“Esse desfile é para mostrar que o câncer não tira a vaidade, a beleza, o glamour e nem o charme da mulher. Muito menos significa sentença de morte. Mostra a união dos pacientes e também queremos chamar a atenção para a falta de medicamentos e exames”, explica a professora Maraísa Helena Borges, 49 anos, que já teve a doença e é uma das fundadoras do Rosas do Cerrado.

 

 

 

Trajando vestido rosa, com maquiagem impecável, as Rosas do Cerrado exalaram confiança e arrancaram aplausos e assovios da plateia. Elas entraram na passarela segurando um guarda-chuva, que, segundo Maraísa, simboliza a proteção da família e dos amigos e faz alusão à proteção contra ‘uma chuva que vai passar’.

 

Uma das modelos, Cris Koressawa, de 43 anos, teve câncer de mama por nove anos e foi quem finalizou o desfile. Ela trajava uma saia e um biquíni customizado com dois filtros do sonho. “Fiz a retirada das duas mamas e me sinto plena assim. Vai muito além de ter peitos ou não. Isso é simbólico. No meu peito, só amor. Podemos ser felizes mesmo com a doença. Isso não determina o nosso fim. Temos que viver o presente, dar valor à família, amigos. No fim, é só isso que importa”, ressaltou.

 

Entre os espectadores do evento, estava a servidora pública Karine Vicenzi, 29 anos. Irmã de uma das modelos, ela conta que aprovou a iniciativa. “Foi lindo e deveria acontecer mais vezes. É muito importante, pois mesmo com a doença, elas estão radiantes de beleza e a alegria contagiante. É lindo de se ver”, completa.

 

O grupo Rosas do Cerrado pede doações de exames e tratamentos relacionados ao câncer de mama. Quem puder ajudar, pode entrar em contato pelo número 99311-2880

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.