Ciclistas quase são atropelados ao voltar do velório de Raul Aragão

Um grupo de amigos que acompanhava o velório de ciclista morto no último fim de semana passou por susto ao serem surpreendidos por carro

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/10/2017 18:25 / atualizado em 25/10/2017 13:40

Um grupo de ciclistas que faz parte da ONG Rodas da Paz relatou quase foram atropelados quando voltava do velório do ativista Raul Aragão, na segunda-feira (23/10). Segundo o grupo, o assessor parlamentar Tiago Marcelo Canabarro tentou atropelá-los no momento em que trafegavam na altura da 913 Sul. Raul Aragão morreu em decorrência de um atropelamento no último fim de semana, na L2 Norte.

 
O ciclista Yuri Prestes conta que o grupo estava seguindo em direção ao Sudoeste e trafegava em uma faixa de rolamento. Ela relatou que, na altura da 713, um carro pareou com os ciclistas e seguiu bem próximo a eles. Após um distanciamento entre o grupo e o carro, os ciclistas o alcançaram, iniciando, assim, uma nova discussão enquanto trafegavam. "Íamos seguir caminho quando o motorista, que deveria seguir reto no balão, retornou a rotatória e veio de encontro com um dos ciclistas", relata Yuri.
 
Ele admite que, nesse momento, o ciclista jogou a tranca da bicicleta no para-brisa do carro, com a intenção de se defender, ainda de acordo com o rapaz. Yuri também conta que o motorista chegou a refazer a manobra em torno do balão, passando por cima do canteiro central, e tentou atingir novamente o grupo, que já estava em cima de uma calçada. Tiago ainda desceu do carro com uma faca e ameaçado os ciclistas.

Em um dos vídeos fornecidos pelos ciclistas, é possível escutar o assessor se defendendo do ocorrido. Ele relata que o ocorrido foi apenas uma tentativa de proteger sua filha, de um ano e oito meses, que se encontrava dentro do veículo no momento do incidente. “Eu não ia passar em cima de vocês em hipótese alguma. Você quebrou o meu retrovisor, o meu parabrisas!”, defende-se.
 
Em outro momento, no entanto, o motorista se contradiz. "Depois que você quebrou meu vidro que eu tentei passar em cima de você. A sua sorte é que eu estava com a minha filha, senão eu ia até o fim". O assessor também ameaçou o ciclista que reagiu à tentativa de atropelamento. "A gente vai se encontrar e eu vou te atropelar", disse o condutor. Já os ciclistas alegam que, se não agissem, poderiam ter sido atingidos pelo carro na primeira manobra do motorista.
 
 

O grupo acionou a Polícia Militar, que compareceu ao local e conduziu os presentes até a 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul). O caso foi registrado e está sendo investigado pela unidade. Segundo o boletim de ocorrência, o fato foi registrado como crime de ameaça, injúria e tentativa de lesão corporal por parte do condutor do veículo. O Correio tentou entrar em contato com Tiago Marcelo por telefone, mas, até a última atualização desta reportagem, ele não havia atendido as ligações.
 
"O caso foge de todos os padrões de normalidade, mas mostra que o carro deve ser utilizado com muita responsabilidade, pois, em mãos erradas ou usado sem cuidados, pode se transformar em uma arma", enfatiza o coordenador-geral da ONG Rodas da Paz, Bruno Leite.  
 

Conscientização

 
O pesquisador do Departamento de Psicologia Social e do Trabalho, Hartmunt Günther, ressalta que é importante que os governantes comecem a ver a mobilidade com outros olhos, pois só assim a população também se conscientizará a agir de forma correta quando se deparar com situações como essa. 

O pesquisador também acha importante que a população se envolva no trânsito como participante, e não como competidores por espaço. “Vamos enxergar pedestres, idosos, crianças, motos e ciclistas como participantes. O menor deve proteger o maior e deve se respeitar o espaço que aquele veículo ou aquela pessoa está ocupando naquele momento”, diz. Ele também entende que a convivência com outros meios de transporte deve se dar de forma pacífica, visto que não temos ciclovias espalhadas pela cidade ou calçadas que passem em todos os locais necessários.

Para finalizar, Hartmunt deu uma dica para motoristas que passarem por uma situação de encontro com um ciclista ou um grupo de ciclistas. "É importante que a velocidade seja reduzida, que uma distância seja tomada", afirma.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
marcos
marcos - 26 de Outubro às 17:41
Acho que índole ruim é a causa de tudo !!!
 
Fábio
Fábio - 25 de Outubro às 11:33
Motorista louco vs Ciclistas abusados.... ninguém é santo nessa história....