Veja dicas para evitar desabamentos e desastres no período chuvoso

Defesa Civil orienta, entre outras medidas, população a ligar para o 190 quando observar trincas e fissuras nas moradias, principalmente em áreas de ocupação irregular

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
Ed Alves/CB/D.A Press
 
 
O Governo de Brasília realiza uma força-tarefa para diminuir os impactos que o retorno das chuvas causa em áreas com risco de desabamento. No sábado (4/11), 14 órgãos do GDF estiveram no Condomínio Sol Nascente, em Ceilândia, para evitar casos como os da última semana, que causaram estragos no bairro. Além da vistoria, representantes das pastas orientaram a população sobre como proceder, caso ocorram novos alagamentos. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a previsão para a tarde de hoje é de temporais com trovoadas. Isso coloca em alerta regiões com áreas de risco. De acordo com a Defesa Civil, além do Sol Nascente, há a Fercal, o Pôr do Sol, Vicente Pires, a Vila Rabelo e Arniqueiras.

Essas são regiões que foram ocupadas de maneira irregular, por isso são mais propícias a novos alagamentos, destaca a Subsecretaria de Proteção e Defesa Civil do Distrito Federal. Nessas localidades, a má compactação do solo onde as casas são levantadas pode provocar trincas e fissuras nas moradias, sinais da possibilidade de desabamento. “São áreas que ainda não possuem sistema de drenagem completo. Por mais esforço que o governo esteja fazendo no sentido de construir sistemas de esgoto, é um trabalho que demanda recurso e tempo”, argumenta o subsecretário do Sistema de Defesa Civil, coronel Sérgio Bezerra.

As precipitações que caíram entre a noite de quinta-feira e a manhã de sexta-feira no Sol Nascente chegaram a arrastar um homem na enxurrada.  Por conta do temporal, a Defesa Civil retirou famílias do bairro. A Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb) executou, na quinta-feira, o reparo do ponto da rede de esgoto que transbordou, e o consórcio responsável pelas obras de drenagem tapou os buracos das ruas mais afetadas pelas chuvas. Segundo o governo, as equipes de obras estão de sobreaviso para trabalharem caso surjam novas emergências.

Estragos

A Defesa Civil não tem um mapa ou levantamento atualizado com o número de moradias que estão em regiões com risco de desabamento. Porém, somente esta semana, o Correio noticiou ao menos três casos de problemas causados por alagamentos. Além do Sol Nascente, as chuvas causaram estragos em Sobradinho II e no Gama. 

Por conta das inundações Elton Alves de Oliveira, 43 anos, ficou ferido após um muro cair sobre ele, em Sobradinho II. “Era tanta água, que ele precisou abrir um portão para que escoasse. Nesse momento, o muro caiu em cima dele”, relatou, na ocasião, João Alves, 44, irmão da vítima. O local desse acidente, nos fundos de uma garagem de ônibus, se enquadra no que a Defesa Civil considera “área de risco”.

O segundo registro foi no Hospital Regional do Gama. O centro cirúrgico, a clínica médica, a enfermaria e a UTI da unidade de saúde ficaram alagados após as precipitações da quinta-feira, 3. Segundo relatos dos funcionários do hospital, o tratamento de pacientes que estavam na enfermaria foi prejudicado devido às goteiras no teto. Na ocasião, a Secretaria de Saúde (SES-DF) informou que, com a chuva forte, um grande volume de água entrou na tubulação, e, como as redes de esgoto e de águas pluviais não suportaram a vazão, houve o transbordamento em um corredor do hospital. A pasta também confirmou que a água chegou a atingir uma parte da enfermaria. 

O coronel Sérgio Bezerra alertou também para a prevenção de alagamentos na área central de Brasília. “Os sistemas de drenagem nem sempre conseguem suportar tanta água, e isso anualmente causa diversos alagamentos nas tesourinhas das Asas Sul e Norte”, relembrou. 

Para evitar o problema, Bezerra aconselha, principalmente, o cuidado no descarte do lixo. “A cidade acabou sendo impermeabilizada devido às construções.  Isso, somada a falta de educação de uma expressiva parte da população, que continua jogando lixo nas ruas, dificulta a absorção das águas pluviais pelos bueiros.”

Cuidados para fugir de transtornos


» Ao detectar trincas e fissuras na estrutura da casa, ligue para o 199, o telefone da Defesa Civil, para que equipe especializada avalie a situação da residência;

» Se perceber que há risco de inundação dentro de casa, desligue rapidamente o disjuntor;

» Fortes ventos podem provocar destelhamentos. Se isso ocorrer, a recomendação é ir para debaixo de mesas e não para a rua;

» Se estiver a pé, evite atravessar correntezas; 

» Ao dirigir em área alagada, evite ruas em que a água esteja 
cobrindo o meio-fio.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.