Especialistas listam principais desafios que próximo governador enfrentará

Especialistas consultados pelo Correio indicam quais são as principais reivindicações dos cidadãos da capital do país: mais emprego, saúde eficiente, mais segurança e melhora na economia estão entre as prioridades

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/11/2017 06:00 / atualizado em 06/11/2017 00:37

Jhonatan Vieira/Esp. CB/D.A Press

 

Com o desgaste do cenário político, envolto em sucessivos escândalos de corrupção, o maior desafio dos candidatos a cargos eletivos em 2018 será convencer o eleitor a sair de casa para votar, apontam cientistas políticos, sociólogos e economistas ouvidos pelo Correio. Para isso, os concorrentes terão de apresentar um programa de governo sólido, sem firulas ou propostas mirabolantes como de costume. No Distrito Federal, o planejamento deve passar por seis pontos considerados prioritários pela população, segundo especialistas: segurança pública, saúde, recuperação econômica, geração de empregos, investimentos no funcionalismo e crise hídrica.

 

Leia mais notícias em Cidades 

 

Na capital, o governador Rodrigo Rollemberg (PSB) precisará de desenvoltura para encarar o eleitorado. Quem tenta a reeleição está sempre na berlinda, por precisar prestar contas sobre a gestão e convencer a população de que o próximo mandato será melhor que o atual. Enquanto isso, os demais pré-candidatos ao Palácio do Buriti têm a vantagem de começar a campanha em uma folha branca, sem cobranças e com munição para atacar o chefe do Executivo local. 

A ofensiva, inclusive, está articulada. Os rivais de Rollemberg pretendem explorar os embates do governador com o funcionalismo, que cobra a última parcela salarial desde meados de 2015; o conflito com policiais civis, os quais reivindicam a manutenção da paridade salarial com a Polícia Federal, por meio do reajuste de 37%; e as dores de cabeça causadas à população com o racionamento de água, devido à crise hídrica. Até mesmo a instauração do projeto do Instituto Hospital de Base (IHBDF), aposta do chefe do Executivo local para a saúde, pode ser questionada, uma vez que é alvo de constantes entraves judiciais.

Perfil

O perfil do candidato que vai angariar os maiores percentuais de votos da população — conservador ou progressista — dependerá da situação econômica no DF e no país. “O eleitor se posiciona de acordo com o bolso. Se está em meio a uma crise, tenta manter o que já tem. Mas, se observa bons espectros financeiros, buscará uma agenda que o faça crescer", explica o cientista político Creomar Souza, da Universidade Católica.

O histórico e a viabilidade jurídica dos candidatos ao Executivo local também receberão mais atenção da sociedade — principalmente após a prisão temporária dos ex-governadores Agnelo Queiroz (PT) e José Roberto Arruda (PR), além do ex-vice-governador Tadeu Filippelli (PMDB), devido ao suposto superfaturamento na construção do Estádio Nacional Mané Garrincha. “A tendência é de que, ao deixar de votar apenas com base no passado dos partidos, as pessoas observem a história das pessoas que se candidatam”, complementa Creomar. 

A menos de um ano das eleições, a corrida eleitoral encontra-se indefinida — apenas Rodrigo Rollemberg é candidato certo. Ainda assim, as articulações começaram há meses, em conversas para articular alianças, discursos em plenário e inserções partidárias. Alguns candidatos, inclusive, começaram a percorrer cidades para conversar com a comunidade. 

“O governo gasta mais de 70% do orçamento com as remunerações do funcionalismo. Então, antes de garantir o pagamento da última parcela do reajuste salarial ou novos concursos públicos, o candidato terá de apresentar propostas para gerar uma alta na receita”
Cientista político Creomar Souza
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
cleber
cleber - 06 de Novembro às 12:33
O governo local não gasta 70% com o funcionalismo, tanto é que saiu do limite prudencial da LRF. Ninguém fala que ele gasta 70 milhões anuais com publicidade, admite funcionários apadrinhados (em concurso público) em vários órgãos, esperou demais para começar o racionamento, está destruindo o sistema público de saúde, sem falar que não paga os salários dos servidores corretamente. No meu mesmo, o governo se nega a pagar uma gratificação que eu tenho direito e que representaria 30% do meu salário. Desta forma, QUEM VOTARIA NESSE GOVERNADOR? Até hoje não conheço um só cidadão que diga que vai votar neste Rolemberg.
 
FERNANDO
FERNANDO - 06 de Novembro às 10:13
Para um pais melhor, não ao voto, até que as leis sejam mudadas, e realmente esses políticos passem a se preocupar com a população, Estamos cansados de pagar a conta. chega, basta, hora de diminuir as regalias desses políticos, Politico deveria ter somente o salario e mais nada. Um médico ganha seis mil estuda um absurdo e um politico? O salario de um policial militar no RIO e outros estados é uma vergonha, já um politico para não fazer nada quanto ganha? um professo ganha um miséria e um politico?
 
FERNANDO
FERNANDO - 06 de Novembro às 10:09
Estamos cansados de promessas e promessas, e nada muda. agora é hora de mudança, ninguém votar.