Metroviários decidem manter a greve

Sem acordo com o governo, categoria reivindica reajuste salarial de 8,4% e contratação de selecionados em concurso. Nova assembleia acontece amanhã

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/11/2017 17:12 / atualizado em 09/11/2017 19:21

Carlos Vieira/CB/D.A Press


Os metroviários decidiram manter a greve. Representantes do sindicato da categoria estiveram reunidos, na tarde desta quinta-feira (9/11), com o subsecretário de Relações do Trabalho e do Terceiro Setor, Márcio Gimene, para tentar um novo acordo e por fim à paralisação do metrô. Porém, não houve entendimento. O governo prometeu solicitar uma nova reunião, mas ainda não há data prevista.

 

Leia as últimas notícias de Brasília

 

A categoria reinvidica a contratação imediata dos mais de 600 selecionados em concurso realizado em 2014, além do reajuste salarial referente ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de 8,41%, atrasado desde 2015. "Eles só nos ouviram mesmo e não fizeram nenhuma proposta. Alegam querer montar um novo cronograma de chamada das pessoas convocadas em concurso, mas isso também está atrasado. Vamos esperar, mas manteremos a greve", garantiu o secretário de assuntos jurídicos do Sindicato dos Metroviários, Leandro Santos. A medida, de acordo com o subsecretário, ocorrem de acordo com cronograma mostrado pela Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag-DF), onde visa equilíbrio equilibrar as finanças da capital.

 

Sobre o atraso no repasse do reajuste salarial, o governo alegou que depende de disponibilidade orçamentária, apesar de ter passado do limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), informou Leandro. "Nós chegamos ao nosso limite. Não estamos reclamando por reclamar. Estamos desde 2015 sem reajuste, como acontece todos os anos", disse a agente de estação, Tânia Aparecida Viana, que trabalha para o Metrô há 19 anos. A categoria, além de manter a greve, vai realizar nesta sexta feira (10/11), a partir das 15h, uma assembleia para decidir quais os próximos passos a serem tomados, no Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT).

 

Veja abaixo o processo anual que fez com que os Metroviários declarassem greve

 

>> 2010 - Metroviários pedem abertura de concurso para a empresa, aprovado em reunião. Acordo foi descumprido.

 

>> 2011 - Recusa de inclusão de concurso em acordo coletivo.

 

>> 2012 - Assinatura do Termo de Compromisso do GDF para realização de concurso até 2013.

 

>> 2013 - Previsto para ocorrer em fevereiro daquele ano, concurso não é realizado. GDF adiou a realização duas vezes, sendo uma para junho e outra para setembro. Ambos acordos também foram descumpridos. Com isso, em outubro, categoria decide entrar em greve por três dias, por intermédio do TRT. Edital do concurso é lançado em dezembro de 2013, com realização no início do ano seguinte.

 

>> 2014 - Realização do último concurso aberto pelo Metrô.

 

>> 2015 - Último reajuste salarial feito aos funcionários Metrô. 

 

>> 2017 - Chamadas não cumpridas. Segundo o Sindicato dos Metroviários, o governo informou que vai chamar os primeiros 188 colocados no concursos. Convocações serão feitas até maio de 2018.

 

 

 

 

 

 

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.