Após suposto caso de febre amarela, Secretaria de Saúde está no Sudoeste

Medida é recomendação do Ministério da Saúde em caso de suspeita de febre amarela. Secretário rechaça pânico. Homem segue em estado gravíssimo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/11/2017 14:14 / atualizado em 25/11/2017 15:03

Ed Alves/CB/D.A Press
Por causa da internação de uma pessoa por suspeita de febre amarela, a Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES) está promovendo, neste sábado (25/11), ações preventivas contra a doença na quadra 301 do Sudoeste. De acordo com a pasta, a medida é para controlar a população de mosquitos nas áreas onde o homem circulou. De toda forma, o secretário de Saúde, Humberto Fonseca, descartou pânico.


Segundo a assessoria de imprensa da secretaria, a partir da suspeita de febre amarela todas as medidas recomendadas pelo Ministério da Saúde estão sendo tomadas. De acordo com a pasta, após a suspeita, ações de vigilância ambiental foram iniciadas. Entre as providências, está a aplicação de inseticidas por fumacê, o tratamento de focos com larvicida e a investigação de campo para identificar e eliminar criadouros de mosquitos. As ações deverão continuar na próxima semana.

Paciente em estado gravíssimo

O paciente com suspeita de febre amarela continua internado em estado gravíssimo na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Santa Lúcia, na Asa Sul. Conforme o Correio noticiou na sexta-feira (24/11), o homem de 43 anos está com provável morte cerebral encefálica, que ainda precisa ser confirmada por três testes protocolares. O quadro de saúde se mantém o mesmo até o início da manhã deste sábado (25/11).

O homem circulou, nos últimos dias, em condomínios e na área rural do Jardim Botânico. Ele deu entrada na emergência em 18 de novembro com dor nas costas, mas foi liberado após medicação. No dia seguinte, porém, voltou ao hospital. Confuso e com fala incoerente, recebeu oxigênio e acabou sendo internado. Ele não teria viajado recentemente para nenhuma região considerada de risco da doença, ou seja, a infecção teria acontecido no Distrito Federal.

Equipes médicas já fizeram dois exames epidemiológicos. O teste mais específico, que poderia confirmar o diagnóstico de febre amarela, foi inconclusivo. Por essa razão, o exame será refeito. O primeiro, que procurou a presença do vírus no sangue, também apresentou resultado divergente. 

Sem pânico 

De acordo com o secretário de Saúde, Humberto Fonseca, não há motivo para pânico, uma vez que Brasília, segundo ele, tem a melhor cobertura vacinal do país. “O procedimento de saúde pública é fazer o controle ambiental, verificar a vacinação do local por onde o paciente passou, e todos esses procedimentos foram tomados”, garantiu o chefe da pasta.
 
Até o momento, foram confirmados dois casos de febre amarela, segundo a Subsecretaria de Vigilância à Saúde, vinculada à Secretaria de Saúde do DF. O primeiro caso ocorreu em janeiro, com um morador de São Sebastião que se deslocou para Januária (MG), local de provável infecção. O segundo foi um morador de Itapoã, que morreu em 11 de fevereiro.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.