Mulher morre após aplicação de Benzetacil em unidade de saúde pública

Secretaria de Saúde aguarda o laudo da necrópsia para confirmar a causa da morte

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 29/11/2017 22:45 / atualizado em 29/11/2017 23:58

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal (SES-DF) investiga as causas da morte de uma paciente que sofreu uma parada cardiorrespiratória após a aplicação de uma injeção de Benzetacil. O caso aconteceu nesta quarta-feira (29/11), na Unidade de Saúde da Família (USF) de São José, em São Sebastião. 

 

Leia as últimas notícias do Distrito Federal 

 

Segundo a Secretaria Saúde, a paciente já estava sendo assistida pela unidade, pois apresentava um quadro de febre reumática que se desenvolveu e começou a causar problemas cardíacos. A mulher tinha sido submetida, neste ano, a uma cirurgia de substituição da válvula cardíaca e, durante o procedimento, chegou a ter uma parada cardiorrespiratória.

 

A pasta destaca que a paciente já tinha sido medicada com Benzetacil anteriormente. Com base nisso, a secretaria afirma que não é possível saber se a morte foi causada pela aplicação ou devido ao estado de saúde frágil da paciente, mas o corpo vai passar por necrópsia para a confirmação.  

 

O Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do Distrito Federal (Sindate-DF) alegou que a unidade não conta com estrutura para atender emergências e que, por isso, esse tipo de procedimento não poderia ser feito no local. A instituição destacou, ainda, que profissionais da área relataram que estavam sendo obrigados a aplicar esse medicamento nos pacientes sem a presença do médico na equipe.

 

Em resposta, a SES negou qualquer manipulação de medicamento em pacientes por técnicos de enfermagem sem a supervisão de médicos, incluíndo neste caso."Trata-se de mais uma tentativa de desinformação movida por interesses corporativos contra a adoção de um modelo de atendimento na Atenção Primária que é preconizado pelo Ministério da Saúde e adotado nos países que têm atendimento de saúde pública mais desenvolvidos", afirmou, em nota.

 

A pasta garantiu também que a unidade conta com quadro completo de funcionários, incluindo médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e agentes comunitários.

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.