Ministério tem evidências de que incêndio na Chapada foi criminoso

Ministério do Meio Ambiente recebeu várias informações de que o incêndio que consumiu quase 30% do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros teve origem criminosa

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/11/2017 20:04 / atualizado em 30/11/2017 20:17

Breno Fortes/CB/D.A Press

 
Informações obtidas pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) indicam que os diversos focos de incêndio que destruíram grande parte da Chapada dos Veadeiros em outubro passado foram criminosos. Ainda segundo a pasta, a partir disso, o governo tomou medidas para permitir que o episódio seja investigado.
 

"Com relação ao incêndio ocorrido no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, o Ministério do Meio Ambiente recebeu várias informações de que teria causa criminosa. Todas as providências foram tomadas no sentido de viabilizar as investigações", informou a pasta por meio de nota enviada, nesta quinta-feira (30/11), ao Correio.

Ainda segundo a nota, o ministro Sarney Filho espera que, se confirmado o ato criminoso, os responsáveis sejam punidos. Hoje, o jornal O Globo informou que o responsável pela pasta tem "convicção pessoal" de que o incêndio foi criminoso.

66 mil hectares destruídos


O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros foi atingido pelo maior incêndio de sua história entre 17 de outubro e terminou em 2 de novembro. Ao todo, 66 mil hectares (ou 28% da área total, de 240 mil hectares) foram destruídos. Somados outros quatro incêndios iniciados e apagados desde 10 de outubro, foram queimados cerca de 75 mil hectares. 
 
 

Passado quase um mês do fim da tragédia ambiental, empresários da região ainda sofrem com a ausência de turistas. Além da área que faz parte da reserva federal, pousadas, fazendas e reservas particulares também foram atingidas pelo fogo no mês passado, incluindo o Vale da Lua, um dos mais famosos atrativos turísticos da região.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.