Saiba quem é o chileno que produz cerveja artesanal na Chapada

Após deixar Santiago, Manuel Alejandro decidiu fazer a primeira cerveja artesanal na região. Além da bebida, ele e a mulher oferecem comidas típicas do país natal, como empanadas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/12/2017 06:00 / atualizado em 02/12/2017 21:22

Breno Fortes/CB/D.A Press


Cavalcante (GO) — Quando se aposentou, o chileno Manuel Alejandro Murga Medina, 66 anos, pretendia trocar a agitada Santiago por uma cidade interiorana. Escolheu uma localidade do norte do país, por ser mais quente. Mas reviu o plano após nascer o primeiro neto, em Cavalcante (GO), em 2005. A filha de Manolo, como é mais conhecido, havia se casado com um goiano do município de 9,7 mil habitantes, no norte de Goiás, a  360km de Brasília. O avô fez a primeira viagem ao Planalto Central em função do bebê. Gostou do que viu. Especialmente da natureza e do sossego. Voltou no ano seguinte para ficar de vez.
 

Depois de comprar uma chácara a 1km da área urbana, Manolo decidiu fazer o que mais gostava: cerveja. Bioquímico, havia trabalhado 30 anos em uma grande cervejaria chilena. Mas, aposentado, queria fazer uma bebida ao gosto e à maneira dele.

Sem pressa e sem grandes ambições, começou a realizar experimentos, em 2006. Logo desenvolveu algumas fórmulas e começou a produzir e a engarrafar a sua cerveja, a Aracê, que em tupi-guarani significa “novo amanhecer”. No começo, tudo era feito na cozinha da casa simples de adobe que construiu na propriedade cercada pelo cerrado virgem, com as águas do Córrego Tapuio ao fundo.

Desde então, o que era um passatempo passou a ser o negócio de Manolo e a mulher, também chilena, Maria Soledad Ramirez Cardemil, a Sole, 58 anos. A demanda pela Aracê, primeira cerveja artesanal feita na Chapada dos Veadeiros, aumentou tanto que, em 2015, o casal construiu um galpão ao lado da pequena casa, onde instalaram a fábrica da Aracê, que, apesar de novos equipamentos, continuou a ser feita de forma artesanal.

O casal transformou a antiga residência em bar e restaurante, onde recebe clientes para degustação, acompanhada por petiscos e pratos brasileiros e chilenos. Para eles, ergueram outra casa, no mesmo terreno. “Temos 22 pontos de distribuição da Aracê em Cavalcante, Alto Paraíso e São Jorge”, conta Manolo.

Fruto do cerrado

A fabricação inclui cervejas clara, escura e sem álcool, chopp claro e chopp escuro, feitos sob o sabor do lúpulo e 100% malte, vindo de Guarapuava (PR) e importado da Alemanha (escuro). A água vem do Córrego Tapuio. O processo leva até oito dias para o produto ficar pronto. “A nossa cerveja tem alta fermentação, sem corante ou aditivo químico. E a água é ótima para esse tipo de bebida”, ressalta o mestre cervejeiro. Em seus experimentos para desenvolver a sua cerveja, Manolo usou frutos do cerrado. Um deles, o baru, rendeu a mais recente novidade, feita da castanha da fruta.

Além da tranquilidade e da proximidade da filha e do neto, o casal decidiu ficar  em Cavalcante por causa das particularidades, como as frutas, e da gente da região, como os descendentes de escravos que moram em comunidades criadas em meio às serras que dominam o município.

Sole e Manolo gostaram tanto de viver em meio ao cerrado que não o deixaram nem quando a filha se separou do marido e decidiu voltar para Santiago, com o filho. “Eles sempre nos visitam, assim como os nossos irmãos e sobrinhos. Os meus irmãos e cunhados, inclusive, já fazem plano de se mudarem para cá, quando se aposentarem”, ressalta Manolo.


Produto em alta


O segmento artesanal representa 0,7% do setor cervejeiro do Brasil, segundo dados do Instituto da Cerveja. A expectativa é de que esse índice aumente para 9% até 2022. A produção da categoria é estimada em 124 milhões de litros por ano. Em 2016, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, 148 novas cervejarias foram criadas no país, somando 522 empresas. O crescimento foi de 39,6% no número de companhias.


Anote
Onde fica: estrada para Colinas do Sul, Km 1 (1km de terra).

Funcionamento: de segunda a quinta-feira, das 14h às 22h; sexta-feira e sábado, das 14h à 0h; domingo, das 14h às 20h.
Aceita cartões de crédito e débito. 

Tel.: (62) 99804-2501 

Mais informações: facebook.com/cervejaria.arace
 
 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.